A maçonaria e a alpista

A vida pública portuguesa tem de acabar de vez com a hipocrisia e o medo de admitir o óbvio: a maçonaria é uma organização que se infiltrou na sociedade e a mina.

1. Devem os deputados ser obrigados a declarar as organizações a que pertencem, com a maçonaria e a Opus Dei à cabeça? O PSD acha que sim. O CDS apoia. O PAN diz ‘nim’, quer que seja facultativo. O PCP tem “dúvidas”. O Bloco provavelmente também. O PS continua com a certeza de sempre: é contra.

A questão parece medianamente clara: a direita, neste caso, defende a transparência; a esquerda, sob o pretexto da Liberdade e dos Direitos, quer continuar a proteger o secretismo, fingir que estas organizações não são aquilo em que se tornaram: centrais de interesse que condicionam a vida pública, na política e nos negócios, na circulação de pessoas e dinheiro.

Por isso, foi para mim muito relevante ouvir Rui Rio, agora presidente do PSD, dizer aquilo que disse em 2019 quando concorreu à liderança do partido: “A maçonaria está um pouco por todo o lado e a tentar condicionar muitas coisas. Não tenho dúvidas sobre isso. Aliás, se eu não dissesse isto, era um hipócrita. Todos nós sabemos isto e ninguém tem coragem para o dizer, mas eu digo-o”.

2. Fernando Lima, grão-mestre do Grande Oriente Lusitano, já veio fazer o seu trabalho e investir contra a proposta apresentada na terça-feira pelo PSD.

Para o grão-mestre a proposta terá “aspectos ridículos”, como seja a obrigatoriedade de se declarar que “se pertence à associação de periquitos de Alvalade”. Entende ele que pertencer à maçonaria é “uma questão de liberdade de consciência” e que “todos somos demasiados vigiados na nossa privacidade e intimidade para que essa liberdade de consciência mais uma vez seja violada”.

3. Esta luta parlamentar merece ser acompanhada com atenção pelos cidadãos. A vida pública portuguesa tem de acabar de vez com a hipocrisia e o medo de admitir o óbvio: a maçonaria é uma organização que se infiltrou na sociedade, mesmo na investigação e na Justiça, e protege os seus de forma contumaz. Não há grande negócio em que não intervenha, luta política relevante em que não participe. Ela está lá, está aqui. Testa lealdades e determina ações.

Se outrora foi um ponto de reunião moral, e pode continuar a sê-lo para alguns – não quero ser injusto –, a verdade é que a grande maioria de lojas e lojinhas que por aí pululam são templos dedicados à doutrina do poder e à religião do dinheiro. Ali colocam-se pessoas. Infiltram-se o Estado e as empresas. Já vi isso acontecer perto de mim. E por cada maçom livre, coerente e honrado que conheci, como António Arnault, que cheguei a entrevistar na sua casa de Coimbra, cruzei-me com uma dúzia de canalhas capazes de tudo para agradar a quem puxa os fios das suas vidas. Também não deve ser fácil sobreviver assim.

4. É por isso que não tenho dúvidas. Pelo menos na vida pública, temos de conhecer quem são os membros das organizações semi-secretas, de tornar obrigatório que deputados e titulares de cargos públicos declarem, no seu registo de interesses, se pertencem a associações e organizações “discretas”, como a maçonaria e Opus Dei.

Sim, não basta a declaração única de rendimentos, património, interesses, incompatibilidades e impedimentos no início e quando deixam o cargo, já obrigatório para grande número de titulares de cargos políticos e públicos, do Presidente aos autarcas, passando por magistrados. Temos de ir mais longe. O grão-mestre Fernando Lima pode achar que é uma grande pilhéria atirar com a “associação de periquitos de Alvalade”. Mas, num deputado, até isso eu quero saber. E não é só porque ache importante seguir o rasto da alpista.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários