A minha mesa de trabalho desapareceu

Roubando a reflexão a Charles Darwin, “não serão as empresas mais fortes que sobreviverão, nem as mais inteligentes, mas sim aquelas que souberem adaptar-se à mudança tecnológica do presente e do futuro”.

“Chefe, onde está a minha mesa de trabalho?”. Um primeiro dia de trabalho poderia começar desta forma. A resposta que cada vez mais será ouvida poderá ser: “Está onde quiser, na praia, em sua casa, no café. Você escolhe!”.

Esta situação é sintomática do conceito Workplace 4.0, que foi introduzido pelo ministro alemão do Trabalho em 2015, tendo por base o contexto do impacto que a sensorização e a transformação digital do mundo na era da Indústria 4.0 trouxe, cada vez mais, à realidade. É sintomático o impacto económico e social que as tecnologias e as diversas plataformas de negócio têm hoje na sociedade e na economia mundial, adivinhando-se transformações ainda maiores “amanhã”.

A transformação digital do mundo laboral está assente na “conetividade” que hoje é possível, nas plataformas de gestão e sensorização disponíveis e na segurança de informação, essencial à competitividade e privacidade das organizações.

O conceito do trabalho das nove às cinco será exclusivo de situações cada vez mais minoritárias nas organizações, passando a regra o conceito do trabalho das 0 às 24. E não se preocupem os mais sindicalistas que os “patrões ostracizadores” não irão obrigar ninguém a trabalhar 24 horas por dia. A mudança está no facto de podermos trabalhar “quando quisermos, onde quisermos, desde que o resultado final apareça no dia certo, à hora exata”.

Esta mudança é de facto radical, instituindo-se a prática efetiva do “trabalho por objetivos” e a meritocracia será mais evidente, isto é, os dados aparecem ou não. Mas tal obriga a que as empresas tenham de ter muito bem definidos os seus processos internos, o que também não é líquido que assim seja. As empresas mais competitivas serão aquelas que consigam garantir uma fluidez de processos claros e partilhados, bem como equilibrar dois fatores essenciais para o sucesso – criatividade e cultura empresarial.

A criatividade é essencial para garantir eficiências e inovações, em contraponto com a rigidez de procedimentos e processos mais explícitos, por necessidade de ter equipas “fora do escritório”, isto é, ter o colaborador “fora da vista”. Será a liberdade de criatividade dada pela empresa que permitirá garantir a resolução de novos problemas, ou a criação e desenvolvimento de novos modelos de produtos e serviços.

O fator cultura empresarial e espírito de grupo irão esvaziar-se ao longo do tempo se a relação entre a empresa e os seus colaboradores se transformar numa relação meramente transaccional. Isto é, se as atividades realizadas não tiverem qualquer componente emocional. Uma distância constante leva ao aumento da frieza e da distância. É assim em qualquer relação.

O ditado “longe da vista, longe do coração” reflete precisamente isso. Não haverá espírito da empresa sem dinâmica de grupo, tribo. A relação será meramente mercantil, eliminando qualquer parceria. É por isso fundamental criar novos mecanismos capazes de ligar equipas e pessoas, com o objetivo de manter os fatores distintivos e o valor acrescentado que uma empresa dá ao mercado, mesmo com uma implementação aprofundada de conceitos Workplace 4.0.

Em termos práticos, o conceito daquilo a que chamamos “trabalho” está em constante mudança e, adaptando uma das muitas e grandiosas reflexões de Charles Darwin, “não serão as empresas mais fortes que sobreviverão, nem as mais inteligentes, mas sim aquelas que souberem adaptar-se à mudança tecnológica do presente e do futuro”.

Recomendadas

A idade sem razão

Insistir no uso da idade cronológica, ou a ausência de preocupação com o que representa a desvalorização social de se ser mais velho, é reveladora de uma enorme insensibilidade à mudança social. O resultado é o desperdício de capital humano para as sociedades que envelhecem.

Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação

O psíquico de Trump

Trump conseguiu o que nenhum dos seus antecessores conseguiu. Pôr os europeus a gastar mais com a defesa, e reduzir significativamente a contribuição americana para o orçamento da NATO.
Comentários