A partir de 2020, deixam de ser cobradas taxas moderadoras nos centros de saúde

Com o próximo Orçamento do Estado, só serão cobradas taxas moderadoras nas urgências. A partir do próximo ano, utentes do SNS deixam, assim, de pagar taxas moderadoras das consultas nos centros de saúde, nas consultas de especialidade e nas análises, exames e fisioterapia desde que prescritos por médicos do Serviço Nacional de Saúde. Medida foi hoje publicada em Diário da República.

A partir de 2020, deixarão de ser cobradas as taxas moderadoras das consultas nos centros de saúde, nas consultas de especialidade e nas análises, exames e fisoterapia desde que prescritos por médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Medida consta da lei que dispensa a cobrança de taxa moderadora nos cuidados de saúde primários e demais prestações de saúde, publicada nesta terça-feira, 3 de setembro, e que entra em vigor no próximo Orçamento do Estado.

Segundo o diploma hoje publicado é aditado um novo artigo à lei que regula o acesso às prestações do SNS por parte dos utentes no que respeita ao regime das taxas moderadoras e à aplicação de regimes especiais de benefícios.

O novo artigo fixa, assim, a “dispensa de cobrança de taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e sempre que a origem da referenciação for o Serviço Nacional de Saúde”, realçando que o objectivo passa por “promover a correta orientação dos utentes, deve ser dispensada a cobrança de taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e, se a origem da referenciação for o SNS, nas demais prestações de saúde, nos termos que vierem a ser definidos nos diplomas de execução orçamental”.

Segundo o diploma agora publicado, a medida “entra em vigor com o Orçamento do Estado subsequente ao da sua publicação”.

A 19 de julho, o Parlamento aprovou a dispensa do pagamento de taxas moderadores nos centros de saúde, medida que entrará, assim, em vigor no próximo Orçamento do Estado.

O texto final da Comissão de Saúde relativo ao projeto de lei do BE denominado “dispensa a cobrança de taxa moderadora nos cuidados de saúde primários e nas demais prestações de saúde sempre que a origem de referenciação para estas for o Serviço Nacional de Saúde” teve os votos contra do CDS-PP, a abstenção do PSD, e o voto a favor das restantes bancadas.

No entanto, este diploma não corresponde ao original proposto pelo BE que especificava a dispensa de cobrança de taxas moderadoras no atendimento, consultas e outras prestações de saúde no âmbito dos cuidados de saúde primários, bem como em “consultas, atos complementares prescritos e outras prestações de saúde, se a origem de referenciação para estas for o Serviço Nacional de Saúde”.

O BE avocou, por isso, para plenário a votação para que fosse incluída esta proposta, mas foi chumbada assim como uma do PCP que previa o alargamento do fim das taxas moderadoras a mais serviços.

Os requerimentos de avocação foram rejeitados com os votos contra do PS, CDS-PP e deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira, a abstenção do PSD e a favor dos restantes partidos.

A lei é a 11.ª alteração ao diploma que regula o acesso às prestações do SNS por parte dos utentes no que respeita ao regime de taxas moderadores e à aplicação dos regimes especiais de benefícios.

Ler mais
Relacionadas

Portugueses gastam 155 milhões de euros com taxas moderadoras no SNS

O relatório do acesso ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) revela que cidadãos que não estão isentos de taxas moderadoras gastaram mais cinco milhões de euros com o pagamento destas taxas em centros de saúde e hospitais durante o ano passado, em comparação com 2017. E dá conta que há menos 211 mil utentes isentos no critério de insuficiência económica.

Taxas moderadoras colocaram mais de 154 milhões de euros nos cofres públicos

Existem 15 critérios para a isenção do pagamento das taxas moderadores, onde se incluem grávidas, desempregados, incapacidade igual ou superior a 60%, doentes transplantados, jovens até aos 17 anos, doentes crónicos e dadores de sangue.

Lei de Bases da Saúde sem referência às PPP em votação no parlamento

O parlamento vai votar hoje a nova Lei de Bases de Saúde, resultado de um acordo à esquerda para PCP e BE aprovarem o documento, após o PS propor revogar o decreto das parcerias público-privadas.
Recomendadas

Reforma do sistema eleitoral impediria desperdício de um milhão de votos nas legislativas

Nuno Garoupa defende que elevado número de votos que não elegeram deputados deve impulsionar a criação de círculo nacional de compensação. Aplicação aos resultados das últimas legislativas beneficiaria todos os partidos tirando o PS e o PSD. E poderia trazer mais três forças políticas à Assembleia da República.

Bagão Félix: “Ministros foram escolhidos por inércia, por amizade ou numa lógica partidária”

Em declarações ao Jornal Económico, antigo ministro das Finanças Bagão Félix mostra-se surpreendido com algumas alterações na estrutura do novo Governo.

PremiumPara onde foram os nossos votos?

A maioria absoluta obtida pelo PSD e pelo CDS em 2011 é um marco importante para se compreender o que se viria a passar em termos de transferências de voto nas legislativas seguintes e, mais tarde, em 2019.
Comentários