A procura como indutora da mobilidade do futuro

Em 2040 é esperado que metade dos novos veículos vendidos em todo o mundo sejam conectados e autónomos (1), havendo já nos nossos dias a expectativa que serviço de mobilidade partilhada será a opção preferida de consumo em detrimento da propriedade da viatura (cerca de metade dos Europeus assim o dizem, com variações locais) (2). […]

Em 2040 é esperado que metade dos novos veículos vendidos em todo o mundo sejam conectados e autónomos (1), havendo já nos nossos dias a expectativa que serviço de mobilidade partilhada será a opção preferida de consumo em detrimento da propriedade da viatura (cerca de metade dos Europeus assim o dizem, com variações locais) (2).

Neste contexto, nunca houve tantos recursos canalizados para este espaço: em 2018, cerca de $35,5 biliões foram investidos em mobilidade (3), com mais de metade em inovações de veículo. Contudo, apesar deste fluxo de investimento, os padrões de mobilidade têm-se mantido relativamente inalterados. Deste modo, à medida que novas tecnologias vão ganhando maturidade, é crítico desenhar de estratégias adequadas de incentivo ao comportamento pretendido.

Importa dissecar dois desafios principais do lado da procura:
• O cognitive bias effect, efeito de cognição humana que conduz a escolhas não ótimas por relutância do consumidor em testar novas soluções e.g., sobrevalorização da posse do atual veiculo privado (endowment effect) ou a sobrevalorização de possíveis riscos e perdas (loss aversion), como a ainda limitada capilaridade da rede de estações de recarga ou a atual menor autonomia de Veículos elétricos;
• A cultura da propriedade da viatura privada enraizada em alguns países, como em Portugal e.g., na Área Metropolitana de Lisboa, em 2018 cerca de 60% das deslocações foi feita via automóvel próprio (4), com a viatura considerada mais que um meio de transporte e.g., um símbolo de status.
É esperado que diferenças culturais tenham um significativo impacto na adoção de novas soluções de mobilidade. Ultrapassar algumas destas dificuldades e acelerar a procura de novas soluções de mobilidade são áreas fundamentais:
• Ultrapassar o desafio do cognitive bias através de um verdadeiro conhecimento de padrões de comportamento e cognição humana, onde técnicas de economia do comportamento têm significativo valor e.g., estruturar mensagem pela positiva, criar opções de mobilidade partilhada por defeito (sabendo que plataformas móveis permitem medir e seguir comportamentos);
• Papel do setor público para acelerar a curva de mobilidade: o ente público (governo central, áreas metropolitanas, camaras municipais) pode desenhar incentivos pela positiva (e.g., incentivos a car sharing para otimização do tempo de uso) e pela negativa (taxas adicionais em veículos de maior emissão), com o mix ideal resultado de especificidades locais.

Em conclusão, sabendo que a viatura privada continua a ser a forma preferencial de transporte, o ritmo de substituição para car sharing ou ride sharing dependerá do esforço em ultrapassar o desafio de cognitive bias. Para além do papel do setor público, as empresas têm um papel fundamental em considerar uma prioridade este desafio.

(1) The Future of Mobility in a Digital World, EY
(2) ISOS
(3) If the Future is now, what is next?, EY
(4) INE

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Investigação interna ou externa – qual o impacto para as empresas?

Assiste-se cada vez mais ao desenvolvimento e reforço do ambiente de controlo interno das empresas. No entanto, as fraudes aparecem quando e onde menos se espera.

Englobamento de rendimentos de capitais e prediais – Equidade fiscal vs. Incentivo ao investimento

De entre as medidas fiscais inscritas no programa do Governo que poderão vir a ser contempladas no próximo Orçamento do Estado para 2020, aquela que mais mediatização tem vindo a ter é a que respeita à obrigatoriedade do englobamento dos rendimentos de capitais e prediais para efeitos de determinação do rendimento coletável em sede do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Estudo de boas práticas e condições de construção de plataforma de gestão de informação necessária à geração de inteligência na gestão do território nacional

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) está a desenvolver no âmbito da candidatura de financiamento do programa Compete 2020 um “estudo de boas práticas e condições de construção de plataforma de gestão de informação necessária à geração de inteligência na gestão do território nacional” que resulta no projeto “Municípios +Inteligentes”. O projeto “Municípios +Inteligentes” […]
Comentários