À procura de emprego? TAP vai contratar 800 novos trabalhadores em 2020

Desde 2015 que a empresa já contratou mais de três mil trabalhadores. A grande maioria das contratações no próximo ano vai ser de comissários de bordo.

A TAP vai contratar 800 trabalhadores em 2020. A companhia prepara-se para integrar no próximo ano mais 100 pilotos e mais 600 assistentes de bordo “para fazer face ao crescimento da TAP”.

“Desde a privatização [em 2015], o grupo TAP já contratou mais de três mil colaboradores em Portugal”, segundo comunicado da empresa.

As ofertas de emprego na companhia aérea podem ser consultadas no site da companhia, mas neste momento ainda não há vagas abertas para pilotos e assistentes de bordo.

Só em 2018, a empresa recrutou um “total de 1.113 novas admissões, com 137 pilotos, 566 comissários/assistentes de bordo, 77 técnicos de manutenção de aeronaves, 117 profissionais para reforço das operações terra no hub de Lisboa, 68 elementos para o contact center, 95 trabalhadores para as diversas áreas da manutenção e engenharia e 63 quadros superiores”.

A TAP destaca que em 2018 o “crescimento do grupo implicou não só a contratação de pessoal navegante, mas também o reforço de áreas estratégicas com implementação de novas políticas a vários níveis, tendo sempre em vista um alinhamento com as melhores práticas do sector e das empresas europeias comparáveis”.

Para a companhia aérea, “estes processos de recrutamento tiveram forte impacto nos processos de onboarding (tendo sido desenhado e implementado um novo modelo de acolhimento e integração dos novos trabalhadores) e nos processos de formação inicial e de desenvolvimento”.

Atualmente, a TAP voa para 90 destinos em 36 países em todo o mundo. A companhia aérea portuguesa opera em média cerca de três mil voos semanais.

A transportadora aérea conta com uma frota de 106 aeronaves: 85 aviões Airbus e 21 ao serviço da TAP Express, a marca para os voos regionais.

TAP permanece no ‘vermelho’ mas melhora margem e reduz peso da dívida em 40%

Ler mais
Recomendadas

Exportações de componentes automóveis mantêm quebra acentuada

Em comunicado enviado à agência Lusa, a AFIA sublinha que os efeitos da pandemia de covid-19 continuam a ser notórios, notando que desde 2009 não se verificava um mês de maio com valores tão baixos nas exportações de componentes automóveis, a registarem uma queda de mais de metade, para 388 milhões de euros.

Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

ANA – Aeroportos de Portugal avança com plano de “saídas voluntárias”

“Perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas”, referiu Thierry Ligonnière, num ‘email’, enviado aos colaboradores.
Comentários