A raiz da crise

Que garantias há de que a ajuda do Estado à comunicação social será isenta de favores e privilégios, que não servirá para financiar grupos suspeitos ou comprar a fidelidade política?

Muito se tem falado sobre o presente e o futuro da imprensa. O Presidente da República chegou a pedir medidas ao Governo para ajudar o sector, nomeadamente que o Orçamento de Estado para 2020 contemple a aprovação de propostas que já deram entrada no Parlamento para ajudar a situação difícil que a imprensa enfrenta.

Que a imprensa está em crise há muito não constitui novidade. Mas como é que chegámos aqui? Por falar em Governo, vamos recuar. Estávamos em pleno governo do ‘Engenheiro’ José Sócrates quando assistimos à maior tentativa de golpe à imprensa da nossa democracia.

Era conhecida a sua obsessão com a comunicação social por causa de notícias desfavoráveis. Era habitual ligar, encolerizado, aos jornalistas. Mas o mais grave foi ter engendrado um plano para controlar os jornais através do Grupo Lena e do seu alegado testa de ferro, Carlos Santos Silva, que iniciou na aquisição de jornais regionais e chegou à criação de um jornal nacional.

Durante anos investiram na imprensa regional chegado a ter a maior carteira de publicações entre jornais e rádios. O passo seguinte era chegar à imprensa nacional. O Grupo Lena, através de Armando Vara, à altura administrador do Millennium BCP, fez uma oferta para adquirir o Público, mas Paulo Azevedo, presidente da Sonae que detinha o jornal, recusa.

Nova tentativa no sector dos jornais económicos, o grupo ofereceu 20 milhões de euros à sociedade Económica SGPS SA, responsável pela edição e venda dos jornais “Diário Económico” e “Semanário Económico”. A operação mais uma vez não teve sucesso.

O grupo decidiu então criar um jornal nacional chamado “Novo Diário”, e anunciou um investimento na ordem dos dez milhões de euros. A apresentação formal e oficial ocorreu em março de 2009, no Taguspark, em Oeiras. A primeira edição viria a ser publicada dois meses depois e o jornal acabaria por surgir com o nome “i”, nas vésperas das eleições legislativas.

O Grupo Lena ainda tentou adquirir a TVI enquanto Sócrates travava uma guerra com o “Jornal de Sexta” do mesmo canal, culminando no afastamento da jornalista Manuela Moura Guedes.

Todos estes dados foram obtidos através de escutas e constam da acusação do Ministério Público que visa o ex-primeiro-ministro, num caso que ainda não está concluído. É verdade que muitos falam da crise na imprensa, governantes, jornalistas, comentadores, mas também é verdade que não ouvimos ninguém recordar que o caso mais escandaloso de controlo da imprensa no país foi protagonizado por um primeiro-ministro.

Perante tudo isto, justifica-se a dúvida de que uma intervenção estatal nos meios de comunicação social seja isenta e que esteja garantido não existirem favores nem privilégios, nem que aquela sirva para financiar grupos suspeitos ou para comprar a fidelidade política. Não se pretende limitar a liberdade de imprensa, mas sim promovê-la.

Recomendadas

Como se cria uma cultura de inovação?

Para que haja diversidade de pensamento, as pessoas precisam de saber que as suas opiniões não só são aceites, como também são fundamentais. Precisam de um espaço seguro.

Carros a pilhas são brincadeira cara

Atendendo-me à lógica e ao conhecimento da teoria da difusão e adoção de inovações, os carros elétricos alimentados por uma bateria que depende de uma rede de distribuição de eletricidade que não existe, não são o futuro.

Solos contaminados, um perigo à espreita

Perante este perigo silencioso debaixo dos nossos pés, não pode haver margem para desculpas ou facilitismos, nem os interesses económicos podem sobrepor-se à protecção das pessoas e dos ecossistemas.
Comentários