A relação com o trabalho mudou

As pessoas procuram relações com mais significado e isso não se limita ao trabalho. Os potenciais candidatos devem compreender o propósito da sua função na empresa a que se candidatam. E os empregadores pretendem contratar os melhores talentos disponíveis, que também tenham potencial para crescer com a empresa.

Os profissionais querem compreender o propósito que está subjacente ao seu trabalho. Querem significado e sentir-se realizados nas tarefas que desempenham. Esta procura, muitas vezes associada aos “millennials”, tem um eco intergeracional e, atualmente, é uma prioridade para todos os candidatos. Por conseguinte, tem de assumir o mesmo relevo para as empresas.

Se compreender o propósito da empresa e conseguir explicá-lo a um público que não seja constituído pelos seus colaboradores, conseguirá contratar as melhores pessoas disponíveis. Embora nem todos os empregadores ajam desta forma, fazê-lo é uma forma segura de conseguir atrair, de um modo constante e eficiente, o talento de que necessitam para crescerem e se tornarem as empresas que pretendem vir a ser.

Hoje em dia, a comunicação e o acesso à informação são mais rápidos, comuns e aprofundados do que nunca. As mensagens instantâneas, as redes sociais, as redes internas das empresas e os sites de críticas abriram as portas da informação a qualquer pessoa. A adaptação a esta nova realidade através de conversas francas atrairá os melhores candidatos para a empresa, pois as culturas orientadas por um propósito funcionam realmente.

E esta orientação ganha particular força num mercado de trabalho em que cada vez existe menos procura por um “trabalho para a vida”. Os profissionais da atualidade são, antes, atraídos por projetos relevantes, com significado e resultados visíveis a curto ou médio-prazo, sendo constantemente aliciados por novas oportunidades.

Os contratos a prazo e os contratos de trabalho temporário têm vindo a ganhar importância nos últimos anos, tanto para colaboradores como para empregadores. As estatísticas corroboram esta conclusão: os contratos a termo certo cresceram 25% na UE27 desde 2001-12 (contratos sem termo 7%). Quase metade (43,9%) dos empregados com idades entre os 15 e os 24 tinham um contrato de trabalho com termo certo. Em França, a segunda maior economia da Europa, seis em cada 10 novos empregos são posições a prazo ou temporárias.

O salário e reputação da empresa costumavam ser os principais fatores de motivação para os candidatos e sem dúvida que as ofertas de emprego que usam estes parâmetros ainda atraem candidatos. No entanto, os gestores de recursos humanos admitem que a interação com as ofertas de emprego tradicionais está em declínio em todas as plataformas.

No panorama atual, os candidatos querem compreender as ações e os compromissos sociais das empresas. Querem saber que causas e temas a organização apoia. Querem saber como é trabalhar na empresa e compreender o propósito subjacente à missão, de forma a compreenderem a fundo os valores da empresa.

Uma vez que os candidatos são pré-selecionados com recurso à tecnologia disponível, porque não haveriam de usar as ferramentas ao seu dispor para efetuarem uma pré-seleção dos empregadores? Os candidatos querem compreender que posição irão ocupar e ter conhecimento das suas tarefas num contexto mais alargado, que lhes permita avaliar o contributo real para a missão da empresa e ter maior felicidade no trabalho e na vida.

Como se pode ir ao encontro destes requisitos? Sendo claro acerca das perguntas que os candidatos fazem e dando-lhes as respostas que procuram. Apenas as organizações que vão ao encontro desta necessidade conseguirão destacar-se da concorrência na atração do melhor talento.

Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários