A saída de Tomás Correia só peca por tardia

A saída de Tomás Correia da Associação Mutualista Montepio Geral não constitui surpresa.

A saída de Tomás Correia da Associação Mutualista Montepio Geral não constitui surpresa. Tomás Correia não tinha condições para permanecer à frente da Associação que detém o Montepio e apenas se manteve no cargo durante tanto tempo devido à influência pessoal que detém há longos anos em determinados círculos próximos do poder político, económico e social.

Como qualquer outro cidadão, Tomás Correia tem direito à presunção de inocência, até porque a Justiça ainda não se pronunciou em definitivo sobre as acusações de que foi alvo por parte do Banco de Portugal, que o condenou a uma coima de 1,25 milhões de euros (em setembro, o Tribunal de Santarém anulou essa sentença, tendo o supervisor anunciado que vai recorrer).

Porém, mais importante do que saber se Tomás Correia é inocente ou culpado dessas acusações, será saber se tinha condições para permanecer à frente da associação que controla o sétimo maior banco português em ativos. E, aqui chegados, poucos terão dúvidas que Tomás Correia não poderia continuar à frente da Mutualista, pela simples razão que quem lidera uma instituição como esta tem obrigatoriamente de estar acima de qualquer suspeita.

A lógica da mulher de César aplica-se como uma luva e a decisão ontem anunciada só peca por tardia. Mas não deixa de ser significativo que Tomás Correia saia depois da entrada em vigor dos novos estatutos, que dispensam a realização de uma assembleia geral eleitoral em caso de vacatura da presidência. Por outras palavras, a equipa de Tomás Correia continuará à frente da Mutualista.

Recomendadas

Os bancos e as ondas de choque da nacionalização da Efacec

Isabel dos Santos não tinha experiência na área da tecnologia, mas os bancos portugueses emprestaram-lhe 110 milhões para a compra da Efacec porque era tida como uma pessoa poderosa, filha do Presidente de Angola, dona de um vasto império empresarial e parceira de grandes empresas portuguesas. As garantias desse empréstimo esfumaram-se com a nacionalização e agora os bancos esperam que, na melhor hipótese, o Estado lhes pague alguma coisa quando a empresa for reprivatizada.

Proximidade excessiva

O Presidente da República perde-se na realidade do dia a dia, torna-se cúmplice dos acontecimentos e desguarnece a posição de válvula do sistema.

Washington aprende com Paris

Pompeu informou os europeus que “os EUA não vão forçar a Europa a escolher entre o mundo livre ou a visão autoritária da China”, como se fosse isso que estivesse em causa.
Comentários