A saída de Tomás Correia só peca por tardia

A saída de Tomás Correia da Associação Mutualista Montepio Geral não constitui surpresa.

A saída de Tomás Correia da Associação Mutualista Montepio Geral não constitui surpresa. Tomás Correia não tinha condições para permanecer à frente da Associação que detém o Montepio e apenas se manteve no cargo durante tanto tempo devido à influência pessoal que detém há longos anos em determinados círculos próximos do poder político, económico e social.

Como qualquer outro cidadão, Tomás Correia tem direito à presunção de inocência, até porque a Justiça ainda não se pronunciou em definitivo sobre as acusações de que foi alvo por parte do Banco de Portugal, que o condenou a uma coima de 1,25 milhões de euros (em setembro, o Tribunal de Santarém anulou essa sentença, tendo o supervisor anunciado que vai recorrer).

Porém, mais importante do que saber se Tomás Correia é inocente ou culpado dessas acusações, será saber se tinha condições para permanecer à frente da associação que controla o sétimo maior banco português em ativos. E, aqui chegados, poucos terão dúvidas que Tomás Correia não poderia continuar à frente da Mutualista, pela simples razão que quem lidera uma instituição como esta tem obrigatoriamente de estar acima de qualquer suspeita.

A lógica da mulher de César aplica-se como uma luva e a decisão ontem anunciada só peca por tardia. Mas não deixa de ser significativo que Tomás Correia saia depois da entrada em vigor dos novos estatutos, que dispensam a realização de uma assembleia geral eleitoral em caso de vacatura da presidência. Por outras palavras, a equipa de Tomás Correia continuará à frente da Mutualista.

Recomendadas

Descer ao ‘Básico’: nada cai do céu

Quando oiço que se tende a criar facilitismo no Ensino Básico, retirando componentes analíticas e sociais, o que me parece é que se está a caminhar num sentido de criar um maior fosso social e económico.

Uma União Europeia a deslizar para a direita

Perante as atitudes de Budapeste e Varsóvia, os líderes europeus avançaram com um novo mecanismo que permite à Comissão Europeia suspender o financiamento de dinheiros do orçamento comunitário a países que não cumpram os preceitos do Estado de direito.

Alargar o acesso ao ensino superior sem reduzir as propinas

Perante os resultados positivos dos programa de bolsas reembolsáveis noutros países, será importante questionar se as políticas públicas em torno do ensino superior em Portugal devem considerar apenas a redução das propinas ou procurar uma via alternativa.
Comentários