A ‘task force’ para a Educação

Quero crer que o Ministério terá, provavelmente, constituído já uma ‘task force’ de especialistas para preparar a mais profunda e ousada intervenção de emergência no ensino em Portugal.

Escrevi já sobre o meu espanto perante a impreparação do Ministério da Educação na reação à segunda fase da pandemia que explodiu em janeiro. As escolas fecharam para “férias”, prejudicando de várias formas as aprendizagens dos alunos. A incapacidade de se saltar de imediato para um modelo online ou híbrido, depois de mais de 10 meses de experiência com a pandemia, não deixou de me surpreender.

Mas acredito que as pessoas e as instituições podem aprender com os erros e, consequentemente, o ministério estar-se-á certamente a preparar para o que aí possa vir, com planos de contingência para o ano letivo 2021/22 se tiver de arrancar, ainda, sob as nuvens da pandemia.

Mas mais, quero crer que o Ministério se estará a preparar para os anos de recuperação de aprendizagens e competências que os nossos alunos e as nossas escolas vão ter pela frente, tendo, provavelmente, constituído já uma task force de especialistas que envolva escolas, professores, psicólogos e pedagogos para prepararem um plano daquilo que vai ter que ser a mais profunda e ousada intervenção de emergência no ensino em Portugal.

Vejamos algumas coisas que se poderão considerar no ensino até ao 9º ano (o secundário, mais especializado, terá outros problemas e dever-se-á articular com o ensino superior para garantir a recuperação necessária).

Ter-se-á que fazer um trabalho de fundo e detalhado, específico para cada ano, e garantir que os saberes estruturantes são adquiridos de forma rápida sem comprometer as aprendizagens globais que os jovens devem adquirir até ao final do 3º ciclo. Ter-se-á que distinguir o que são essas aprendizagens estruturantes, que devem ser recuperadas num ano ou dois, e o que são as aprendizagens que podem ser espalhadas ao longo do restante percurso escolar.

Um exemplo que me parece ilustrativo é o das competências de leitura e escrita: são obviamente estruturantes já que comprometem as restantes aprendizagens; já, por exemplo, o Estudo do Meio pode ser facilmente espalhado pelos quatro anos do 1º ciclo, ainda que obrigue a uma revisão do programa.

Os anos de recuperação dever-se-ão focar nesta distinção e rever currículos, carga horária e estratégias de acompanhamento. Tem que ser claro que haverá uma hierarquia de aprendizagens e tem que haver coragem para a definir.

Talvez seja também necessário um 10º ano diferente para os alunos do 9º que transitam com falhas básicas. Talvez o 10º ano tenha que ser mais transversal, o que obrigaria a repensar os exames das disciplinas bianuais e consequentemente o curso do secundário.

Tudo isto exige coragem política e ambição, exige pensar diferente e ter capacidade de ação. Exige ouvir professores e escolas e trabalhar com ambos, não só porque são os maiores especialistas na matéria e conhecem o terreno, mas porque sem eles nada se faz. É crucial então que a dita task force comece já a trabalhar em força e a perceber os modelos que estão a ser utilizados noutros países e que são adaptáveis à nossa realidade ou os que, não sendo, têm que ser criados por nós.

Como é uma situação de urgência, como os problemas são inúmeros e diversos e as soluções, provavelmente, múltiplas, quero mesmo acreditar que o Ministério já está à frente do problema e que, chegados a setembro, os nossos alunos terão um programa sério, ousado e único de recuperação que, de uma vez por todas, nos porá na linha da frente.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários