A transformação digital do professor

Os profissionais que nasceram no século XX, formados com metodologias do século XIX e que ensinam no século XXI têm de aprender modelos de ensino em rede. Para isso é preciso investir na sua formação.

A vantagem de ser pai, docente universitário e profissional de Transformação Digital é que me permite tomar consciência direta do impacto que a evolução tecnológica tem no futuro da sociedade.

Em particular, a interação que vamos tendo com os filhos e os seus amigos, com as várias gerações de alunos, desde adultos em regime pós-laboral até aos jovens de 18 anos, acabadinhos de chegar à universidade, permite ir aferindo como, nestes últimos dez anos, as novas gerações mudaram radicalmente a forma como interagem com a tecnologia e informação e como adquirem e potenciam o conhecimento.

De um outro ponto de vista, e pelo facto de ter algumas funções de apoio à gestão na universidade, tenho o privilégio de interagir com docentes de várias gerações, desde os mais jovens de 30 anos até aos de 60 ou mais anos, e verifico a grande pressão de adaptação com que se debatem, pois como ouvi recentemente, “são profissionais que nasceram no século XX, formados com metodologias do século XIX e que ensinam no século XXI”.

Nestas análises transversais com os vários interlocutores do processo educativo, coloca-se um enorme desafio para o futuro do sucesso da educação: o papel do professor. Quais são os professores que não têm hoje dificuldade em garantir a atenção dos seus alunos durante uma ou duas horas, quando há uma pressão social chamada Facebook, Instagram ou WhatsApp simultânea à aula? Como é que o professor leciona e questiona quando o aluno “googla” e responde cinco segundos depois, dando ainda mais informação que o solicitado?

A tendência normal de resistência à mudança e à evolução tecnológica por parte do professor é a de querer bloquear o acesso às tecnologias, limitando qualquer veleidade de ser colocado em causa por informações externas à aula. Mas será este o processo mais adequado?

O desafio para quem tem 40, 50 ou 60 anos de idade e leciona no ensino básico e secundário ou universitário, foi educado sem qualquer recurso a tecnologias e carece de uma transformação digital dos seus processos pedagógicos, passa, forçosamente, por aprender a transformar o seu modelo de ensino “quase” unidirecional (professor “debita” e aluno “ouve”) em modelos de ensino em rede, com a integração baseada em modelos de investigação, criatividade e produção através da Internet, mini testes, questionários, inquéritos em aula e em tempo real, tudo online.

Tal como passa também pela integração de encarregados de educação em projetos online, com a produção e consulta de conteúdos didáticos com base multimédia e por comunicar de forma constante com os alunos, colegas e comunidade de ensino através de plataformas de messaging (p.e. WhatsApp), redes sociais, entre outros.

Do ponto de vista prático, o modelo de ensino tem de começar a replicar os processos empresariais de gestão de projetos, nos quais o planeamento, a definição de entregáveis e de requisitos são essenciais. Essa transformação facilitará o futuro da integração do aluno na sua carreira profissional.

Assim como o professor deve tornar-se num gestor de projeto do século XXI, onde os modelos de comunicação e de desenvolvimento são digitais, reforçando o conceito do professor enquanto tutor de uma rede de stakeholders. Mas, para isso, é necessário investir forte na formação dos docentes e da comunidade escolar e universitária. Isto porque também os professores não nascem ensinados!

Recomendadas

Lisbonne brûle-t-elle?

Investidores estrangeiros em imobiliário alegam que é preciso garantir que a cidade tenha uma espécie de “reservas de índios” que retenham alguma presença folclórica na multidão estrangeira que esmaga as ruas da cidade.

Agora todos querem ser ecologistas

Ao mesmo tempo que aumentam os discursos ambientais, aumentam também as vozes que pretendem desligar a ecologia política da categorização entre esquerda e direita. A ecologia, enquanto ideologia política, é de esquerda.

Uma trégua na guerra comercial

O acordo comercial não constitui um incentivo ao comércio internacional. Acima de tudo, é uma forma de estancar o efeito de contágio do protecionismo a uma escala global.
Comentários