A única moção de censura e as duas moções de rejeição que derrubaram governos

No dia em que é debatida e votada a moção de censura apresentada pelo CDS-PP, visando o Governo do PS, o Jornal Económico recorda as histórias de três moções (uma de censura e duas de rejeição) que fizeram cair governos liderados por Cavaco Silva, Nobre da Costa e Passos Coelho.

O hara-kiri do PRD e a génese do cavaquismo absoluto

No dia 3 de abril de 1987, pela primeira e única vez na História da III República Portuguesa (pós-25 de abril de 1974), foi aprovada uma moção de censura na Assembleia da República, derrubando o Governo em funções. Não foi propriamente uma grande surpresa, na medida em que o X Governo Constitucional, liderado pelo primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva, do Partido Social-Democrata (PSD), era minoritário e enfrentava uma constante guerrilha parlamentar da oposição, na qual se destacavam o Partido Socialista (PS) e o Partido Renovador Democrático (PRD).

O PSD de Cavaco Silva tinha 88 deputados eleitos, ao passo que o PS de Vítor Constâncio tinha 57 deputados e o PRD de Hermínio Martinho tinha 45 deputados. As outras duas bancadas parlamentares eram constituídas pela Aliança Povo Unido (APU), com 38 deputados, e pelo Centro Democrático Social (CDS), com 22 deputados. O PRD era liderado por Martinho, mas tinha sido criado dois anos antes com o patrocínio do general António Ramalho Eanes, 16º Presidente da República entre 1976 e 1986.

Apesar de ser a terceira força política na Assembleia da República, com menos deputados do que o PS, foi o PRD que avançou com a moção de censura ao Governo de Cavaco Silva. Motivo? A visita de uma delegação de deputados à então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), com uma passagem muito controversa pela Estónia. O Estado português não reconhecia a anexação dos países bálticos (Estónia, Letónia e Lituânia) pela URSS. O Governo de Cavaco Silva criticou severamente e desautorizou a Assembleia da República e o respetivo presidente, Fernando Amaral, do PSD. O conflito parlamentar agudizou-se, desembocando na moção de censura apresentada pelo PRD.

A moção seria aprovada com os votos a favor do PS, PRD e APU, ao passo que o PSD e o CDS votaram contra. Seguiu-se a tentativa de formação de um novo Governo de coligação entre o PS e o PRD, solução proposta por Constâncio ao então Presidente da República, Mário Soares (antecessor de Constâncio na liderança do PS). No entanto, Soares recusou essa hipótese e decidiu dissolver a Assembleia da República, convocando novas eleições legislativas para o dia 19 de julho de 1987.

Viria a revelar-se o momento mais determinante da carreira política de Cavaco Silva: nessas eleições, o PSD conquistou uma maioria absoluta de 148 deputados (50,2% dos votos), algo inédito na III República Portuguesa e que seria replicado em 1991. Cavaco Silva permaneceu assim no cargo de primeiro-ministro ao longo de uma década. Em contraste com o PRD que, arcando com o ónus da moção de censura, passou de 45 para apenas sete deputados eleitos nas legislativas de 1987 e acabou por definhar abruptamente até à sua dissolução na viragem de século.

 

A guerra aberta entre Soares e Eanes

O III Governo Constitucional, liderado pelo primeiro-ministro Alfredo Nobre da Costa, durou apenas 86 dias, entre os dias 29 de agosto e 22 de novembro de 1978. Foi constituído por iniciativa do então Presidente da República, Ramalho Eanes, após ter demitido o anterior Governo, chefiado por Mário Soares, do PS. Para essa demissão contribuiu decisivamente o CDS de Diogo Freitas do Amaral que retirou o apoio ao PS, com o qual mantinha um acordo de incidência parlamentar que sustentava o Governo de Soares.

E foi precisamente o PS que apresentou uma moção de rejeição do programa do recém-empossado Governo de Nobre da Costa. “O problema é estritamente político, o debate desde o primeiro dia mostrou a insanável incongruência deste Governo e também o pecado original da sua formação, ao arrepio do disposto na Constituição da República. Os ministros apresentaram-se a esta câmara na defensiva, como a pedirem desculpa por aqui estar, com alguma razão o fizeram já que só se representam a si próprios, visto que nunca foram sufragados pelo poder popular”, declarou Soares na Assembleia da República, a 14 de setembro de 1978, dia em que foi debatida e votada a moção de rejeição. Soares estava em guerra aberta com Eanes

A moção seria aprovada com os votos a favor do PS, CDS, União Democrática Popular (UDP) e vários deputados independentes. Na sequência da rejeição do programa do Governo, Nobre da Costa apresentou a demissão. Eanes avançou então para um novo Governo constituído por sua iniciativa, o IV Governo Constitucional que tomou posse no dia 22 de novembro de 1978, chefiado por Carlos Mota Pinto.

Após a revisão constitucional de 1982, não voltou a assistir-se à formação de governos de iniciativa presidencial. Continua a ser uma iniciativa possível, dentro do perímetro dos poderes presidenciais. A partir de 1982, porém, o Governo deixou de depender politicamente do Presidente da República, passando a depender da Assembleia da República, pelo que tal iniciativa dificilmente voltará a ser viável.

 

A queda do muro que delimitava o arco da governação

Se o Governo de Nobre da Costa resistiu apenas 86 dias, o segundo Governo de Pedro Passos Coelho foi ainda mais breve, tendo durado apenas 27 dias. Destaca-se mesmo como o Governo mais efémero da III República Portuguesa. A coligação PSD/CDS-PP venceu as eleições legislativas de 4 de outubro de 2015, mas perdeu a maioria absoluta que detinha desde 2011 (passou de 132 para 107 deputados).

Assistiu-se então a um momento histórico na democracia portuguesa: o Bloco de Esquerda (BE), o Partido Comunista Português (PCP) e o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) acordaram a viabilização de um novo Governo do PS, aliando-se para derrubar o Governo de coligação PSD/CDS-PP, indigitado no dia 22 de outubro pelo então Presidente da República, Cavaco Silva.

No dia 30 de outubro, o segundo Governo de Passos Coelho tomou posse, no Palácio da Ajuda. Seguiu-se, no dia 6 de novembro, a entrega do programa do Governo na Assembleia da República. O debate sobre o programa realizou-se nos dias 9 e 10 de novembro e culminou na votação de uma moção de rejeição apresentada pelo PS. Importa salientar que o BE, o PCP e o PEV também apresentaram moções de rejeição do programa do Governo, mas não chegaram a ser votadas, pois a primeira do PS foi desde logo aprovada.

Votaram a favor 123 deputados (PS, BE, PCP, PEV e PAN), superando os 107 votos a favor da coligação PSD/CDS-PP. O Governo de Passos Coelho ainda se manteve em gestão corrente até à tomada de posse do XXI Governo Constitucional, liderado pelo PS de António Costa, a 26 de novembro de 2015. O mesmo que agora enfrenta a segunda moção de censura lançada pelo CDS-PP de Assunção Cristas na presente legislatura.

Ler mais
Recomendadas

Venezuela: 12 das 24 regiões do país estão novamente às escuras

No início do mês, um apagão deixou o país sem energia durante uma semana.

Outdoor da Iniciativa Liberal devolvido ao IC19 “com três dias de atraso”

Empresa pública voltou atrás na decisão de retirar propaganda política colocada junto à saída para o Palácio de Queluz após intervenção da Comissão Nacional de Eleições. Iniciativa Liberal garante que irá recorrer aos tribunais.

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.
Comentários