A vida doce

Parece-me bem que a presidente da Câmara de Almada ainda não esteja a viver no Bairro Amarelo. Se conseguisse mudar num dia, como anunciou, teria seguramente usado algum privilégio de posição.

A presidente da Câmara de Almada disse, numa reunião camarária, que gostaria de viver num bairro social da cidade, no caso o Bairro Amarelo, pois eles têm uma vista “maravilhosa”. Foi ao ponto de dizer que se mudaria para lá “amanhã”.

Bem, passada uma semana ainda não está lá, o que me parece bem: se conseguisse mudar num dia teria seguramente usado algum privilégio da posição, pois ter os contratos todos em ordem – desde a atribuição da casa aos fornecimentos de água, eletricidade, mudar a residência fiscal, etc., – é obra. Não vejo como se trata num dia, a menos que ela pensasse num primeiro momento viver clandestinamente lá, o que não cairia bem.

Vamos dar-lhe tempo para a mudança e ser mais pacientes, que esta é uma verdadeira medida de aproximação do poder autárquico aos munícipes. E assim ela consegue um objetivo que traçou de lançar uma política de mistura de diferentes grupos sociais, o que me parece ser o caso embora não saiba bem – porque não moro lá – que grupo social predomina no Bairro Amarelo. Não me parece que são os chineses, até porque batizá-lo assim teria laivos de xenofobia.

Já agora, a nossa presidente deveria ter cuidado com os nomes dos bairros, particularmente nesta época em que se derrubam estátuas, e escolher nomes neutros, por exemplo, bairro cinzento ou, porque não atendendo à vista maravilhosa, bairro azul (será que já existe um?).

Por falar em azul, e em mudanças, mudança de casa a sério foi a da lagosta azul que se encontra agora no Jardim Zoológico de Akron, e que antes estava numa cervejaria de Cuyahoga Falls, no Ohio, EUA, em risco de ser servida numa cataplana ou à Thermidor. Seria uma pena, pois só há uma lagosta azul em cada dois milhões de lagostas americanas, e foi o que a salvou de acabar cozinhada. Aliás, esta sim, mudou mesmo de casa de um dia para o outro.

Acredito que o bicho também ache que no Zoológico tem uma vista maravilhosa, sobretudo se compararmos com o interior duma panela. E, coincidência das coincidências, também esta lagosta é do sexo feminino.

Voltando aos humanos, eu, e apesar de não ter uma vista maravilhosa, preferiria ir morar para Olten, na Suíça, onde uma avaria no sistema de ventilação numa fábrica de chocolate da Lindt & Spruengli provocou, graças aos fortes ventos da altura, uma nuvem de pó de cacau na vizinhança da fábrica, a que os residentes chamaram “neve de chocolate”. Não fora ter sido em agosto, dir-se-ia que o Natal, época de doces e guloseimas, estava a chegar mais cedo.

Isto sim, é muito melhor que morar no Bairro Amarelo. Portanto, a presidente que vá morar para lá, eu prefiro outros ares às vistas. Agora fica por resolver uma questão: ela quer ir morar para o Bairro Amarelo e participar na mistura de grupos sociais. Só falta saber se eles, no Bairro Amarelo, a querem por lá.

Recomendadas

Poupar ou poupar, eis a questão

Parece desadequado falar em poupança em plena crise pandémica que é já uma crise de rendimentos para muitas famílias, mas é nas alturas mais exigentes que se tomam as decisões mais importantes.

Um orçamento que não serve à esquerda nem à direita serve ao país?

Uma vez mais, nenhuma alteração nos escalões do IRS é consagrada no OE2021, uma decisão incompreensível. Apenas as retenções na fonte serão mais baixas, mas tal não significará um alívio fiscal.

Uma década ‘horribilis’

Não basta atirar dinheiro para cima dos problemas. É urgente realizar um correcto diagnóstico para se poder prescrever a medicação adequada.
Comentários