Abanca integra 334 trabalhadores do Deutsche Bank Portugal até 9 de junho

O ABANCA considera que não existirá sobreposição de funções ou postos de trabalho, até pelas diferenças de negócio entre as duas Instituições, pelo que não está prevista qualquer reestruturação que resulte na dispensa de trabalhadores, relatam os sindicatos.

Juan Carlos Escotet Rodríguez, presidente do Abanca

O ABANCA tem 49 trabalhadores em Portugal e vai integrar 334 trabalhadores do Deutsche Bank, em resultado da anunciada aquisição da rede de Particulares e Banca Privada (private banking) da sucursal do banco alemão em Portugal. A data estimada para a efetivação final da aquisição e integração será 9 junho de 2019.

Por outro lado, o Deutsche Bank, atualmente liderado por Bernardo Meyrelles, manter-se-á em Portugal, com uma estrutura de 40 trabalhadores, vocacionada para a banca corporativa.

“O ABANCA tem como objetivo a plena integração de todos os trabalhadores no projeto que desenvolve em Portugal, apostando na estabilidade laboral e no respeito pelos direitos dos trabalhadores e na sua realização profissional”, avança o comunicado conjunto dos sindicatos do setor.

Numa atuação concertada os Sindicatos SNQTB (Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos e Bancários), Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e o Sindicato Independente da Banca (SIB), estiveram hoje reunidos, em Lisboa, com o ABANCA, tendo debatido o processo de integração do Deutsche Bank, que se encontra em curso.

A esse propósito, foi comunicada a intenção de conjugar os direitos e benefícios vigentes no ABANCA e no Deutsche Bank, “com vista a que os trabalhadores possam usufruir transversalmente das vantagens existentes em ambas as instituições”, diz o comunicado dos sindicatos.

Em resultado desta integração, “os trabalhadores do Deutsche Bank serão abrangidos pelo ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) do sector bancário (que este não subscreveria) nos termos outorgados pelo ABANCA”, diz a mesma nota.

Nessa medida, além dos direitos e benefícios laborais previstos nesse Acordo Coletivo, os trabalhadores do Deutsche Bank terão assim acesso ao SAMS. Sendo que o ABANCA suportará as contribuições para o SAMS a cargo do empregador e do trabalhador.

“Foi ainda mencionado que a ABANCA considera que não existirá sobreposição de funções ou postos de trabalho, até pelas diferenças de negócio entre as duas Instituições, pelo que não está prevista qualquer restruturação que resulte na dispensa de trabalhadores”, dizem os sindicatos.

O ABANCA está a elaborar um conjunto de informações sobre este processo de integração, que divulgará aos trabalhadores e que dará conhecimento aos Sindicatos.

“Os Sindicatos continuarão a acompanhar este processo de integração, a dialogar de modo a obter a informação que, em cada momento, se mostre relevante, do que daremos a devida nota aos nossos associados. A atuação concertada destes Sindicatos continua assim a ser dinamizada, incrementada e reforçada, com intervenção junto de todas as Instituições do setor bancário, em benefício dos trabalhadores bancários, que representamos a nível nacional”, dizem os três sindicatos em comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários