Abreu Advogados vê receitas aumentarem 12% para 33,6 milhões de euros em 2020

O negócio internacional tem um peso de 40% nas contas da sociedade de advogados.

A Abreu Advogados fechou 2020 com resultados positivos: 33,6 milhões de euros de faturação, o que representa um crescimento homólogo de 12% e um recorde para o escritório liderado por Duarte de Athayde, apesar da crise sanitária e socioeconómica causada pela pandemia.

“O ano de 2020 foi um dos mais desafiantes do nosso tempo. Depois de um período marcado por um grande dinamismo económico em 2019, o abalo provocado pela pandemia Covid-19 fez-se sentir em todas as áreas da economia. Perante uma crise eminente e uma grande imprevisibilidade, mantivemos o foco nos nossos clientes, atuando como um parceiro de negócios focado em consultoria estratégica e na partilha de informações de valor acrescentado, úteis e relevantes para dissipar incertezas”, garante o managing partner.

É disso exemplo o lançamento da “HelpDesk Covid-19” logo em março de 2020, um portal online onde a sociedade de advogados partilhou diariamente o essencial da informação para as principais áreas da economia e das empresas. Os eventos foram igualmente uma marcante, pois resultaram na organização de 30 webinares, que reuniram mais de 3.300 participantes e geraram cerca de 4.500 visualizações.

“Os resultados de um ano tão imprevisível como o de 2020 demonstram a solidez da sociedade e confirmam a estratégia e visão que tem vindo a ser implementada e que nos permite, hoje, afirmar que somos uma das quatro principais sociedades de advogados independentes nacionais e um player incontornável da advocacia de topo em Portugal”, prossegue Duarte de Athayde.

Em 2020, os juristas deste escritório fizeram 2.600 horas pro bono, o que significou uma subida de 41% relativamente ao ano anterior. Por outro lado, houve uma diminuição no consumo de papel (-36%), de eletricidade (-15%) e de água (-10%).

A Abreu – que tem 214 advogados, entre os quais 31 sócios – está organizada em 12 áreas de prática e grupos multidisciplinares focados nos principais sectores de atividade da economia, atuando em nove mercados. O negócio internacional tem um peso de 40% nas contas da firma.

Ler mais
Relacionadas

PremiumDuarte de Athayde: “Apesar da crise, o nosso volume de negócios subiu 13%”

O ‘managing partner’ da Abreu Advogados refere que, apesar do travão que as restrições causaram, a sociedade teve uma subida de, pelo menos, 18% na cobrança de honorários.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Vistos Gold vieram para ficar e Portugal tem uma posição simpática a nível mundial”

“Na minha opinião, os Vistos Gold vieram para ficar. Acho que Portugal tem uma posição muito simpática a nível mundial. O nosso passaporte, que também alicia muitos investidores a optarem por Portugal, alicia muitos a investir via Portugal”, realçou a advogada da CRS, Raquel Galinha Roque.

“Falar Direito”. “Investimento estrangeiro? Lisboa e Porto estão na pole position”

“Lisboa e Portugal no geral têm-se vindo a colocar numa pole position em termos de investimento estrangeiro nomeadamente ao nível dos Vistos Gold. O Porto também tem vindo a ganhar muito com esta política”, realçou a advogada da CRS, Raquel Galinha Roque.

Regime dos vistos gold vai mudar em janeiro de 2022. Quais as implicações para os investidores? Veja o “Falar Direito”

Acompanhe o “Falar Direito” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Comentários