“Abrirei os portões e enviarei 3,6 milhões de refugiados”. Erdoğan ameaça líderes europeus

Recep Tayyip Erdoğan ameaça que vai “abrir os portões” das fronteiras caso o ataque na Síria for considerado como “ocupação”. A Turquia lançou uma ofensiva militar contra os combatentes curdos no norte da Síria a 9 de outubro, com ataques aéreos que atingiram a cidade na fronteira de Ras al Ain.

O presidente turco ameaçou “abrir as portas” das fronteiras na Turquia para os refugiados sírios migrarem para a Europa, caso os líderes políticos considerem a ação militar no nordeste da Síria como uma “ocupação”, escreve o ‘The Guardian’, esta quinta-feira.

Recep Tayyip Erdoğan alertou os líderes europeus de que “abrirá os portões e enviará 3,6 milhões de refugiados” num discurso, esta tarde, durante uma reunião combativa com legisladores e ministros da Justiça e Desenvolvimento do seu partido. Enquanto discursava, aviões de guerra e artilharia turcas continuam a atacar as cidades fronteiriças no nordeste da Síria, horas depois das tropas terem entrado na região curda que já não está protegida pelos EUA.

Ainda durante o discurso, o presidente turco explicou que Ancara vai continuar a prender os detidos do Estado Islâmico na Síria e repatriá-los para o país de cidadania, acrescentando que esposas e filhos passariam por “programas de desradicalização”.

Ofensiva turca continua a avançar. Número de mortos aumenta

A Turquia lançou uma ofensiva militar contra os combatentes curdos no norte da Síria a 9 de outubro, com ataques aéreos que atingiram a cidade na fronteira de Ras al Ain.

Ao início do segundo dia do ataque, o exército turco atingiu 181 alvos das milícias curdas com a sua força aérea e artilharia. Um dos alvos, denunciaram as Forças Democráticas Sírias, foi uma as prisões onde os combatentes do Estado Islâmico estão detidos.

De acordo com o New York Times, esta quinta-feira, cerca de 16 combatentes curdos foram mortos quando forças terrestres turcas atacaram as cidades no nordeste da Síria. Outros 33 membros das Forças Democráticas Sírias ficaram feridos.

A mudança das forças armadas turcas para a Síria começou, esta quarta-feira, depois da decisão do presidente Trump no domingo de retirar as tropas americanas do caminho da Turquia, apesar da discordância dos seus próprios oficiais militares e do Departamento de Estado.

Ler mais
Relacionadas

Trump justifica abandono dos curdos: “Não nos ajudaram na Segunda Guerra Mundial”

Depois de ter ordenado a retirada das forças militares norte-americanas e dos turcos terem avançado com uma ofensiva no nordeste da Síria, Donald Trump defendeu o sucedido dizendo que os curdos não foram aliados na Segunda Guerra Mundial.

Turquia e Estados Unidos divergem na questão curda

Os ataques do regime de Ancara a posições curdas na Síria já começaram. A comunidade internacional, apesar de avisada com grande antecedência, agita-se. Erdogan e Trump voltam a estar em rota de colisão.

Donald Trump diz que ataque turco contra curdos foi “uma má ideia”

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta quarta-feira que a ofensiva militar no norte da Síria contra as milícias curdas foi “uma má ideia”, e que não a apoia, acrescentando que nenhum soldado norte-americano estava na zona atacada.
Recomendadas

Ex-PR de Angola nega qualquer transferência de dinheiro do Estado para si ou entidades públicas

Numa carta aberta, datada de 13 de janeiro e dirigida ao presidente da Assembleia Nacional e ao juiz presidente do Tribunal Constitucional, e que foi divulgada hoje, José Eduardo dos Santos nega qualquer “participação direta” na compra e venda de diamantes e na venda do petróleo bruto.

Secretário da Cultura brasileiro vai ser afastado do cargo depois de citar discurso de propaganda nazi

O secretário da Cultura brasileiro fez um inspirado nas palavras de Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler.

Primeiro-ministro da Ucrânia pede a demissão

A decisão está relacionada com a divulgação de um áudio no início da semana no qual Oleksiy Honcharuk parece fazer comentários depreciativos sobre os conhecimentos de economia do presidente.
Comentários