“Abrirei os portões e enviarei 3,6 milhões de refugiados”. Erdoğan ameaça líderes europeus

Recep Tayyip Erdoğan ameaça que vai “abrir os portões” das fronteiras caso o ataque na Síria for considerado como “ocupação”. A Turquia lançou uma ofensiva militar contra os combatentes curdos no norte da Síria a 9 de outubro, com ataques aéreos que atingiram a cidade na fronteira de Ras al Ain.

O presidente turco ameaçou “abrir as portas” das fronteiras na Turquia para os refugiados sírios migrarem para a Europa, caso os líderes políticos considerem a ação militar no nordeste da Síria como uma “ocupação”, escreve o ‘The Guardian’, esta quinta-feira.

Recep Tayyip Erdoğan alertou os líderes europeus de que “abrirá os portões e enviará 3,6 milhões de refugiados” num discurso, esta tarde, durante uma reunião combativa com legisladores e ministros da Justiça e Desenvolvimento do seu partido. Enquanto discursava, aviões de guerra e artilharia turcas continuam a atacar as cidades fronteiriças no nordeste da Síria, horas depois das tropas terem entrado na região curda que já não está protegida pelos EUA.

Ainda durante o discurso, o presidente turco explicou que Ancara vai continuar a prender os detidos do Estado Islâmico na Síria e repatriá-los para o país de cidadania, acrescentando que esposas e filhos passariam por “programas de desradicalização”.

Ofensiva turca continua a avançar. Número de mortos aumenta

A Turquia lançou uma ofensiva militar contra os combatentes curdos no norte da Síria a 9 de outubro, com ataques aéreos que atingiram a cidade na fronteira de Ras al Ain.

Ao início do segundo dia do ataque, o exército turco atingiu 181 alvos das milícias curdas com a sua força aérea e artilharia. Um dos alvos, denunciaram as Forças Democráticas Sírias, foi uma as prisões onde os combatentes do Estado Islâmico estão detidos.

De acordo com o New York Times, esta quinta-feira, cerca de 16 combatentes curdos foram mortos quando forças terrestres turcas atacaram as cidades no nordeste da Síria. Outros 33 membros das Forças Democráticas Sírias ficaram feridos.

A mudança das forças armadas turcas para a Síria começou, esta quarta-feira, depois da decisão do presidente Trump no domingo de retirar as tropas americanas do caminho da Turquia, apesar da discordância dos seus próprios oficiais militares e do Departamento de Estado.

Ler mais
Relacionadas

Trump justifica abandono dos curdos: “Não nos ajudaram na Segunda Guerra Mundial”

Depois de ter ordenado a retirada das forças militares norte-americanas e dos turcos terem avançado com uma ofensiva no nordeste da Síria, Donald Trump defendeu o sucedido dizendo que os curdos não foram aliados na Segunda Guerra Mundial.

Turquia e Estados Unidos divergem na questão curda

Os ataques do regime de Ancara a posições curdas na Síria já começaram. A comunidade internacional, apesar de avisada com grande antecedência, agita-se. Erdogan e Trump voltam a estar em rota de colisão.

Donald Trump diz que ataque turco contra curdos foi “uma má ideia”

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta quarta-feira que a ofensiva militar no norte da Síria contra as milícias curdas foi “uma má ideia”, e que não a apoia, acrescentando que nenhum soldado norte-americano estava na zona atacada.
Recomendadas

Equipa de resgate procura quatro espeleólogos portugueses em gruta espanhola

Uma equipa de resgate foi acionada para localizar quatro espeleólogos portugueses que estão desde sábado na gruta de Cueto-Coventosa, em Espanha, com os trabalhos de socorro a serem dificultados pelo aumento do nível da água.

Primeiro-ministro espanhol visita hoje Barcelona, após uma semana de violência nas ruas

A visita a Barcelona acontece depois do primeiro-ministro cessante, Espanha vai a eleições em novembro, ter rejeitado atender por três vezes as chamadas do líder do Governo catalão, Quim Torra.

Hong Kong: Governo pede desculpas após polícia pulverizar mesquita durante protesto

O Governo de Hong Kong pediu hoje desculpas a líderes muçulmanos, depois da polícia antimotim ter pulverizado um portão da mesquita e algumas pessoas com um canhão de água, quando as autoridades tentavam dispersar os manifestantes no domingo.
Comentários