Acionista da EDP de Abu Dhabi quer investir nas energias renováveis em Portugal

O fundo detido pelo Governo de Abu Dhabi, que detém 3,15% da EDP, quer investir na energia eólica e solar em Portugal e Espanha com a meta de atingir os 500-600 megawatts (MW) de potência.

Um dos fundos soberanos de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, está preparado para investir nas energias renováveis em Portugal.

O Mubadala Investment Company quer investir através da Masdar Cepsa Renováveis, uma parceria entre a Masdar, subsidiária do fundo, e a espanhola Cepsa, detida pelo fundo e também pelos norte-americanos dos Carlyle Group.

“A Cepsa Masdar Renováveis vai-se centrar-se em projetos de energia eólica e solar fotovoltaica na Península Ibérica, com o objetivo inicial de ter 500 a 600 megawatts (MW) de capacidade”, segundo comunicado divulgado esta quarta-feira pela empresa, que vai ser participada em 50% por cada uma destas empresas.

A Mubadala Investment Company está também presente no capital da EDP através da International Petroleum Investment Company (IPIC), que por sua vez detém a sociedade Senfora BV, com 3,15% do capital da elétrica portuguesa.

A Masdar está a operar em Espanha desde 2008 através da Torresol Enery, onde detém a central solar Gemasolar, na comunidade da Andaluzia. Por sua vez, a Cepsa opera uma central eólica em Jerez de la Frontera com uma capacidade de 28,8 megawatts.

“Na Masdar, temos orgulho de contar com nossa sólida experiência em energias renováveis para ajudar Espanha e Portugal a aumentar a percentagem de energia limpa em seu mix de energia. A Península Ibérica é uma zona atrativa para os investidores em energias renováveis e esperamos expandir, ainda mais, o nosso portfólio em energias renováveis na Península Ibérica, uma vez que fortalecemos a nossa aliança com a Cepsa”, disse em comunicado Al Ramahi, administrador delegado da Masdar.

Ler mais
Recomendadas

Estudo Basef Seguros escolhe Fidelidade

O Basef Seguros – Barómetro de Serviços Financeiros é um estudo de referência realizado há mais de 20 anos pela Marktest, que dá a conhecer o comportamento da população portuguesa em relação ao setor segurador.

Menos de metade das empresas de turismo investiram em inovação no último ano

“Com este estudo, tentámos perceber qual o patamar em que estão as empresas no que respeita à transformação digital e à inovação”, diz Francisco Calheiros.

Quatro sindicatos do setor financeiro juntam-se para criar o “Mais Sindicato”

De acordo com os estatutos, serão agendadas, num prazo de seis meses, eleições para os órgãos diretivos da futura estrutura sindical – Mais Sindicato.
Comentários