Ações da Amazon ainda podem valorizar 16% até ao fim do ano

Mais de quatro meses após o início da pandemia, os analistas de Wall Street estimam que a empresa deve crescer mais 16% até ao fim do ano devido ao aumento da procura pelo comércio online.

Com a pandemia da Covid-19, a Amazon cresceu em contraciclo a lucrar com os efeitos do confinamento. Mais de quatro meses após o início da pandemia, os analistas de Wall Street estimam que a empresa deve crescer mais 16% até ao fim do ano devido ao aumento da procura pelo comércio online, aponta o “Business Insider”.

Na segunda-feira, 13 de julho, os analistas da Cowen elevou a meta do preço das ações da tecnológica para os 3.700 dólares, a partir de 2.750 dólares, reiterando o “desempenho superior” da empresa de Bezos. Segundo o “Business Insider”, a meta é agora a mais elevada de Wall Street e representa 16% de aumento do valor das ações registados no fecho de sexta-feira, 10 de julho.

No entanto, apesar do aumento, o valor das ações da empresa de Jeff Bezos encontra-se em queda, depois de na segunda-feira ter caído 3% até ao fecho, para o preço se fixar em 3.104 dólares, apesar de ter subido 4,5% durante a sessão.

Os analistas estabeleceram a nova meta de preços ao elevar as estimativas para o comércio online e para a publicidade proveniente do mesmo. Desde o início do ano, as ações da Amazon valorizaram mais de 75%, e a empresa está otimista com o aumento do volume de negócio.

De facto, Bezos tem sido o multimilionário que mais lucrou com a pandemia. O líder do comércio eletrónico viu a sua fortuna aumentar em 34,5 mil milhões de dólares (30,5 mil milhões de euros) nos primeiros meses do ano, de acordo com a “Bloomberg”, elevando a sua fortuna pessoal para os 149 mil milhões de dólares (131 mil milhões de euros), o que equivale ao PIB da Eslováquia, Marrocos e Angola.

Relacionadas

Patrão da Amazon já ganhou 50,2 mil milhões de euros só este ano

A fortuna de Jeff Bezos ultrapassou o pico de 2018, antes de perder um quarto da sua participação na Amazon, quando se divorciou de Mackenzie Bezos.
amazon

Amazon posiciona-se como a marca mais valiosa do mundo impulsionada pela Covid-19

As empresas tecnológicas, norte-americanas e chinesas, foram as que se melhor posicionaram no ranking da Brandz. Os autores do inquérito admitem que a pandemia desvalorizou o valor total das 100 empresas avaliadas, e que antes da crise esperava-se um aumento de 9%.

De Bezos ao fundador do Zoom. Estes 8 bilionários ficaram mais ricos durante a pandemia

Numa altura em que muitas empresas se vem aflitas para sobreviver aos impactos da Covid-19, algumas, cujo os serviços se tornaram essenciais, viram os seus lucros aumentar, fazendo com que, por sua vez, a riqueza dos seus donos também cresça.

Fortuna de patrão da Amazon aumenta em tempo de pandemia

Empresas ligadas ao mundo do comércio eletrónico ou ao campo de software de informação que estão no epicentro do teletrabalho, como é o caso da Amazon ou da Microsoft, conseguiram passar ao lado dos momentos mais complicados para a economia.

Amazon atrai mais clientes durante a pandemia da Covid-19

Este novo ritmo da elevada procura pela venda a retalho online levou a que as ações da Amazon atingissem novos patamares. As ações atingiram o nível mais alto de sempre a 16 de abril e subiram mais de 28% este ano.

Amazon regista aumento nas encomendas online e contrata 100 mil trabalhadores para satisfazer procura

A empresa criada e liderada por Jeff Bezos relaciona o aumento da procura com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que tem levado milhares pessoas em todo o mundo a isolarem-se em casa.
Recomendadas

PremiumConservas querem substituir 200 milhões de importações

Campanha em curso de promoção do consumo de conservas deverá aumentar vendas em cerca de 5%, revela José Maria Freitas, presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, em entrevista ao Jornal Económico.

Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Apenas 2,7% das coimas da Autoridade da Concorrência foram pagas desde 2004

Uma das razões para os atrasos são os múltiplos recursos na Justiça, que contribuem para que só uma pequena parte das coimas seja paga.
Comentários