Ações da EDPR abrem a cair 10% para 16,88 euros após aumento de capital a 17 euros

A EDPR conclui esta manhã o aumento de capital de 1.525 milhões de euros, com o preço das ações na operação a beneficiarem de um desconto de 9,3% face ao fecho de quinta-feira. As ações da ‘casa mãe’ EDP, que reduziu a participação na subsidiária de 82,6% para 75,1%, caem 2,03%.

As ações da EDP Renováveis abriram a sessão a tombar 9,93 % para 16,88 euros cada, após a empresa ter anunciado que concluiu o aumento de capital de 1,525 mil milhões de euros com a colocação 88,25 milhões de ações ao preço de 17 euros por ação, menos 9,3% face ao preço de fecho de 2 de março.

Os títulos da ‘casa mãe’ EDP Energias Portugal caem 2,03% para 4,674 euros cada. No aumento de capital, a energética reduziu a participação na subsidiária para 75%, de 83%.

O grupo anunciou o aumento de capital durante o ‘Strategic Update 2021-2025’ anunciado na passada quinta-feira. O objetivo da operação é “financiar parcialmente” o ambicioso plano de investimento da EDP Renováveis no valor de 19 mil milhões de euros com o objetivo de implementar 20 gigawatts de renováveis até 2025. Incluindo este valor, o grupo EDP, que detém 83% da EDP Renováveis, pretende investir no total 24 mil milhões de euros até 2025.

Os dois títulos pressionam o indice nacional PSI 20 para uma descida de 1,50% para os 4.703 pontos.

EDP fica com 75% da EDP Renováveis depois de aumento de capital

 

 

Relacionadas

EDP fica com 75% da EDP Renováveis depois de aumento de capital

A EDP Renováveis já concluiu o seu aumento de capital de 1,525 mil milhões de euros, com ações vendidas a 17 euros. O grupo EDP reduz assim a sua participação de 82,6% para 75,1% na empresa de energias renováveis.

EDP Renováveis arranca com aumento de capital de 1,5 mil milhões

A empresa contratou o Citigroup Global Markets Europe e o Morgan Stanley Europe para avançar com a operação junto de investidores institucionais.
Recomendadas

Governo abre concurso para atribuição de ponto de injeção na Central do Pego

A tutela recorda que o Contrato de Aquisição de Energia da Tejo Energia, S.A. termina em 30 de novembro de 2021, “tendo como consequência a caducidade das licenças correspondentes e a subsequente perda da capacidade de injeção na RESP [Rede Elétrica de Serviço Público]”.

Em breve teremos de começar a retirar pessoas da orla costeira do Norte, avisa especialista

O especialista considera que “vai havendo uma consciencialização cada vez maior, nomeadamente até ao nível da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), de que é preciso olhar nestes horizontes temporais de médio e longo prazo, mas quando é preciso tomar uma decisão, numa zona específica, o poder local está muito sobre análise direta, e precisa de resposta na hora”.

Portugal continental com aumento da área em seca meteorológica no final de agosto

A seca meteorológica está diretamente ligada ao défice de precipitação, quando ocorre precipitação abaixo do que é normal.
Comentários