Ações do Alibaba ganham mais de 6% depois do regulador fechar investigação antitrust

A multa do regulador chinês à empresa representa 4% das receitas domésticas de 2019, um valor ainda significativo mas inferior à penalidade máxima de 10% regida na lei.

Chance Chan / Reuters

O grupo chinês Alibaba recebeu a maior multa até à data, de 2,8 mil milhões de dólares (2,4 mil milhões de euros), após o regulador encerrar a investigação antitrust contra a empresa, revela o “Financial Times” esta segunda-feira. Ainda assim, e apesar desta multa recorde, o grupo de e-commerce parece tranquilo, uma vez que o preço das ações dispararam acentuadamente após a empresa anunciar o fim da investigação.

A empresa cotada em Hong Kong subiu 6,5% ao início da manhã, após anunciar a decisão do regulador, indicando que estes estavam a analisar a indústria de tecnologia relativamente a fusões e aquisições, acrescentando que não sabiam se existem investigações específicas que tivessem o Alibaba como alvo. Também nos Estados Unidos, as ações da empresa valorizaram 8,6%.

A multa do regulador chinês à empresa representa 4% das receitas domésticas de 2019, um valor ainda significativo mas inferior à penalidade máxima de 10% regida na lei.

Os reguladores do mercado iniciaram a investigação contra o Alibaba por práticas anticompetitivas contra os comerciantes que utilizam a sua plataforma de comércio eletrónico. Com esta multa, o objetivo de Pequim é que o Alibaba deixe de exigir que os seus comerciantes escolham entre fazer negócios em várias plataformas, escolhendo apenas a sua, sendo esta uma prática conhecida como exclusividade de comerciante.

O CEO da empresa admitiu que quer avançar com a empresa, acrescentando que não vai recorrer da decisão e multa aplicada por Pequim. Daniel Zhang apontou que a empresa não precisa de acordos de exclusividade com os comerciantes para os reter, de forma a ser a maior empresa de e-commerce da China, adiantando que a empresa vai ainda reduzir os custos para os comerciantes na plataforma, oferecendo alguns serviços gratuitamente.

O Alibaba dá então por terminada a investigação que impediu a Oferta Pública Inicial (IPO, sigla inglesa) do Ant Group, empresa de fintech do mesmo fundador, no valor de 37 mil milhões de dólares (31 mil milhões de euros), que viria a tornar-se a maior IPO do mundo.

Ações continuam a subir

Ao início da tarde, as ações da empresa em Hong Kong subiam 8%, somando 48,5 mil milhões de dólares (40,71 mil milhões de euros) ao valor de mercado do Alibaba. Com este aumento repentino do valor das ações, este pode tornar-se o dia com mais ganhos dos últimos três meses.

Com o mercado em Hong Kong já fechado, a empresa encerrou a primeira sessão da semana com ganhos. O Alibaba fechou a sessão desta segunda-feira, 12 de abril, a ganhar 6,51% para 232 dólares de Hong Kong.

Em Wall Street, a empresa continua a somar ganhos. Pelas 16h30 desta segunda-feira, a empresa ganha 8,26% para 241,75 dólares.

De relembrar que as ações do Alibaba apresentaram um tombo de 13% na bolsa chinesa, desde dezembro de 2020 até à semana passada, o período em que o regulador chinês anunciou a investigação e o seu resultado.

Ler mais

Recomendadas

Praias. 10 razões pelas quais utentes e concessionárias podem sofrer coimas que vão dos 50 aos mil euros

Desde a violação da obrigação de uso de máscara no acesso à praia, até à violação das regras de cirulação ou o incumprimento do distanciamento social, são algumas das razões para as coimas. As regras para o verão português de 2021 entram em vigor a partir de amanhã, 19 de maio.

Groundforce avisa que pagamento dos salários de maio está em risco com pedido de insolvência pela TAP

O acionista maioritário alerta que o pedido de insolvência também “vai dificultar a operação de venda que se encontra em curso com diversos players internacionais do setor”. Pedro Nuno Santos é ouvido hoje no Parlamento sobre a situação na empresa com 2.400 trabalhadores.

RTP “precisa de reforço” do financiamento para cumprir completamente novo contrato

“Não há qualquer dúvida que para cumprir completamente aquilo que vai estar disposto no futuro contrato de concessão, a RTP precisa de um reforço do seu financiamento e de um reforço orçamental”, reiterou Nuno Artur Silva.
Comentários