Acordo milionário entre PSG e Nike: cerca de 55 milhões por época até 2032

“Este acordo representa um passo muito importante, que reflete como o clube se tornou no cenário mundial e as grandes ambições que temos para o futuro”, anunciou Nasser al-Khelaifi, presidente do PSG.

O Paris Saint-Germain e a Nike anunciaram esta sexta-feira a renovação do contrato de patrocínio, que já conta com mais de 30 anos. O ‘L’Equipe’ revelou que a renovação do acordo é o maior da história, com 50 a 55 milhões de euros por temporada, sendo que a data final do contrato se fixou em 2032.

“Este acordo representa um passo muito importante, que reflete como o clube se tornou no cenário mundial e as grandes ambições que temos para o futuro”, anunciou Nasser al-Khelaifi, presidente do PSG.

São mais 13 épocas de união para o futuro, e o clube francês quer conquistar novos títulos com o parceiro de sempre. O clube PSG está avaliado em 922,25 milhões de euros, sendo Neymar o jogador mais valioso a apostar pelas cores do clube francês.

O clube estima que a continuação do contrato com a Nike lhe traga 700 milhões de euros para os cofres, até 2032, data final do mesmo contrato. Desta forma, o clube de al-Khelaifi vai continuar com o símbolo de ‘Just Do It’ na equipa principal, mas também feminina e de andebol.

Esta renovação contratual vai ajudar os parisienses a dar um impulso às contas para cumprir o Fair Play financeiro da UEFA. Nos últimos tempos, o organismo europeu tem investigado as contas do presidente, de forma a procurar indícios de impulsos para equilibrar os resultados.

Recomendadas

Fórmula 1 regressa a Portugal com o apoio da cervejeira Heineken

Esta marca de cerveja, que pertence ao grupo que controla a Central de Cervejas, vai lançar uma campanha que resulta da parceria global com a Fórmula 1, iniciada em 2016, “plataforma excecional que tem servido para reforçar o compromisso da cerveja Heineken na promoção de mensagens responsáveis sobre o consumo de bebidas álcoolicas aliado à condução”.

“Jogo Económico”: “Ausência da receita da bilheteira traz impacto significativo”

Na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, Miguel Farinha, partner da EY, realçou que ao nível das receitas, os clubes portugueses estão dependentes de duas variáveis colocadas em causa pela pandemia: as transferências e as receitas de bilheteira.

Quase 20 milhões de euros em apenas um mês. Quanto pode ganhar Jorge Mendes neste mercado?

Jorge Mendes continua a ser o principal agente de futebol a nivel mundial. O agente português não teve contratempos relativos à pandemia de Covid-19 e, como prova do seu trabalho, finalizou cinco negócios no espaço de um mês, todos eles avultados, que poderão render ao agente português quase 20 milhões de euros.
Comentários