PremiumAdega de Monção conseguiu subir exportações em 4% durante 2020

A pandemia provocou uma quebra de 15% nas vendas no mercado interno e 2021 vai ser outro ano difícil. Armando Fontainhas aposta na diversificação de mercados, mas critica falta de apoios públicos.

A Adega de Monção (AM) encerrou 2020 com uma faturação de 13,3 milhões de euros, num exercício muito difícil devido à pandemia. “O crescimento tem sido sólido e numa tendência crescente a rondar os 6% em média nos últimos oito anos. Obviamente, temos que excluir o ano de 2020, sendo um ano completamente atípico com quebra do volume de faturação sem precedentes”, explica Armando Fontainhas, presidente da adega cooperativa, em declarações ao Jornal Económico.

Em 2020, a AM não teve investimentos relevantes, “pois foi tudo suspenso dada a pandemia”. “Em relação aos investimentos previstos para 2021 e já aprovados pela assembleia geral da Adega de Monção, são de 438 mil euros e dividem-se em manutenção dos edifícios, sistemas de vigilância, painéis fotovoltaicos para diminuir na pegada ecológica e na enoteca Adega de Monção”, revela Armando Fontainhas.

Os cooperantes da AM possuem 1.236 hectares. Em Monção, a área de cultivo de vinha é de 958 hectares, sendo 191 designados para as castas tintas, 111 para a Trajadura e os restantes 656 para a Alvarinho.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumTK Elevator sucede a ThyssenKrupp com 400 profissionais em Portugal

Independente desde 31 de julho de 2020, a empresa conta com uma carteira de 1,4 milhões de elevadores e escadas mecânicas no mercado nacional. Ricardo Malheiro, CEO da TK Elevator, explica ao JE o impacto da pandemia na atividade da empresa.

Depois da polémica com barragens, Governo anuncia investimentos de 90 milhões em Trás-os-Montes

O ministro do Ambiente anunciou investimentos – financiados pelo Orçamento do Estado, fundos europeus e Fundo Ambiental – para os 10 municípios transmontanos onde ficam localizadas as barragens vendidas pela EDP a um consórcio francês. Movimento Terras de Miranda tem exigido o pagamento de 110 milhões de euros em imposto de selo por esta transação no valor de 2,2 mil milhões de euros.
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.
Comentários