Adeus, PIN. Limite de 50 euros nos pagamentos sem contacto passa a ser permanente

Depois do limite ter aumento de 20 para 50 euros no final de março devido à pandemia da Covid-19, foi hoje anunciado que este limite veio para ficar. Pagamentos sem contacto aumentaram 20% nos últimos meses.

Os pagamentos com cartão contactless (sem contacto com o terminal) com o limite de 50 euros passam a ser permanentes.

A decisão foi hoje anunciada pelo Banco de Portugal devido ao crescimento registado no tipo de pagamentos sem contacto em tempos de pandemia da Covid-19.

O limite anterior era de 20 euros, mas a 25 de março deste ano o montante máximo foi alargado para os 50 euros perante a vaga do novo coronavírus.

“Esta alteração surgiu em resposta à evolução da pandemia de COVID-19, num contexto de incentivo ao uso de pagamentos “sem contacto”, e ‘conquistou’ comerciantes e consumidores. Os consumidores passaram a recorrer à tecnologia contactless em cerca de 20% das compras com cartão, praticamente duplicando o nível de utilização existente antes da pandemia”, destaca o Banco de Portugal em comunicado divulgado esta segunda-feira.

“Perante o crescimento registado na utilização desta tecnologia, a comunidade bancária nacional, em articulação com o Banco de Portugal e com a SIBS, decidiu, agora, tornar permanente o limite de 50 euros para a realização de pagamentos contactless sem necessidade de introduzir o PIN”, segundo o supervisor.

Recomendadas

Principal acionista do Haitong Bank conclui aumento de capital de 2,4 mil milhões

Comunicado do banco chinês reporta o aumento de capital da sua casa-mãe, numa estratégia de crescimento na China

PremiumBruxelas autorizou Novo Banco a financiar venda de imóveis

Na constituição do Novo Banco, a DG Comp da Comissão Europeia autorizou a instituição a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pelo banco.

Responsabilidades do BES para com o Fundo de Pensões dos administradores vão ser extintas

A ASF autorizou a extinção das responsabilidades com pensões do ex-administradores executivos do BES.
Comentários