Adidas vai fechar duas fábricas operadas por robôs em 2020

Anunciadas para aproximar os produtos aos mercados principais da marca, as fábricas da Alemanha e dos Estados Unidos, vão fechar após quatro anos de funcionamento. A Reuters aponta que o encerramento poderá dever-se aos custos terem superado o previsto.

A gigante alemã da indústria do calçado, Adidas, anunciou hoje o fecho das duas fábricas de robôs que mantinha a operar na Europa e na América do Norte. A marca considera que usar alguma desta tecnologia na Ásia seria mais “económica e flexível”.

A Adidas não deu detalhes sobre o que provocou o encerramento das unidades, mas o fecho aconteceu por os custos associados às fábricas terem superado o previsto, segundo a Reuters.

Anunciadas para aproximar os produtos aos mercados principais da marca, as fábricas da Alemanha e dos Estados Unidos vão fechar após quatro anos de funcionamento.

Apesar do fecho, a companhia alemã anunciou através de um comunicado que as fábricas de robôs ajudaram a melhorar a tecnologia da marca, e que os projetos futuros serão melhorados tendo em conta os avanços tecnológicos obtidos.

A Adidas conta com mais de um milhão de trabalhadores subcontratados na Ásia, divididos entre China e Vietname.

Há quatro anos, a decisão de implementar as duas fábricas de robôs fora da Ásia baseou-se também nos aumentos graduais dos salários dos funcionários asiáticos, e no aumento dos custos com o transporte, de acordo com a Reuters.

O fecho das fábricas não implica despedimentos e como tal as preocupações em torno da decisão não foram muitas. A Adidas vai continuar a trabalhar com a empresa que desenhou e construiu os robôs, a Oechsler, no desenvolvimento de solas para chuteiras de futebol através de impressoras 3D, e ainda na nova gama de ténis ‘Boost’.

Ler mais
Recomendadas

Domingos Soares de Oliveira: “não há neste momento qualquer situação oficial entre o Benfica e o treinador Jorge Jesus”

“Conforme é sabido, o nosso presidente tem uma relação pessoal com o treinador Jorge Jesus, portanto é natural que converse com o treinador, mas não não há neste momento qualquer situação oficial entre o Benfica e o treinador Jorge Jesus”, vincou Domingos Soares de Oliveira.

Rui Gomes da Silva: “Aumento do empréstimo obrigacionista? Poderá servir para pagar os valores absurdos de Jorge Jesus”

Em entrevista ao JE, Rui Gomes da Silva coloca em causa o projeto desportivo da Benfica SAD e, a poucos dias da eventual confirmação do título por parte do FC Porto, o advogado questiona como é que “um clube intervencionado pela UEFA” quase ganha três títulos consecutivos ao Benfica que, de acordo com os seus responsáveis, tem apresentado resultados financeiros “do outro mundo”.

PremiumSem turistas ingleses, situação da indústria do golfe “vai ser dramática”

Decisão de Boris Johson pode provocar perdas de mil milhões de euros só nos meses de julho e agosto no setor do turismo. Presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe “estranha” opção do Reino Unido, mas não crê em teorias da conspiração e admite que podem ter existido falhas do Governo de Portugal.
Comentários