Administração da Semapa diz que preço da OPA da Sodim é o adequado

A administração da Semapa considera a OPA oportuna e o preço de 11,40 euros, bem como as restantes condições, são as adequadas.  A Semapa também diz que a OPA não prevê a necessidade de proceder a alterações às condições atuais dos trabalhadores e que o perfil de risco de crédito da empresa não será alterado.

Acabou de ser publicado no site da CMVM o relatório do Conselho de Administração da Semapa sobre com a oportunidade e as condições da Oferta Pública de Aquisição lançada pela Sodim SGPS, sua maior acionista.

A administração da Semapa considera a OPA “oportuna” e o preço de 11,40 euros, bem como as restantes condições, adequados. A Semapa também diz que a OPA não prevê a necessidade de proceder a alterações às condições atuais dos trabalhadores e que o perfil de risco de crédito da empresa não será alterado em resultado das implicações económicas e financeiras da conclusão da Oferta, nem se prevê que se verifiquem impactos na relação da Semapa com os seus credores financeiros.

“Tendo por base a análise constante do presente relatório é entendimento do Conselho de Administração que, à face dos critérios constantes do artigo 181º do CVM, a Oferta é oportuna e as suas condições são adequadas e, atendendo à informação existente sobre a sociedade e ao comportamento histórico da ação Semapa no mercado, a contrapartida da OPA [11,40 euros por ação] merece ser tida em consideração e é suscetível de ser aceite pelos acionistas”, diz a administração da sociedade visada na OPA.

A posição da administração da Semapa é contrária à de alguns pequenos acionistas que vieram a público dizer que “é importante referir que a Semapa controla 70% do capital da Navigator (negócio da pasta e papel), cuja participação tem o valor de 1.400 milhões de euros. Este valor é largamente superior àquele que a holding da família Queiroz Pereira quer pagar”.

O Conselho de Administração da Semapa, no seu relatório da visada, recomenda no entanto que cada acionista tome a sua decisão individual quanto à aceitação ou não aceitação, da Oferta em função da análise dos seus próprios objetivos de retorno, liquidez e horizonte temporal de investimento.

Esta é uma OPA voluntária lançada pela maior acionista da Semapa para tentar comprar pelo menos 90% da empresa. Essa percentagem é a condição de sucesso da oferta, e cujo anúncio preliminar foi publicado a 18 de fevereiro de 2021.

O que se propõe comprar a Sodim?

A Sodim SGPS, que tem já mais de 73% do capital da Semapa, propõe-se a comprar todas as ações da empresa que não sejam detidas nem pela Oferente, nem pela Cimo ‐ Gestão de Participações, SGPS, sua subsidiária integralmente detida, e compromete‐se, de acordo com os termos e condições do Projeto de Anúncio de Lançamento e do Projeto de Prospeto, a adquirir, com contrapartida em dinheiro, todas as ações sujeitas à Oferta e que sejam objeto de válida aceitação.

O relatório ressalva que o  Projeto de Anúncio de Lançamento e o Projeto de Prospeto não contêm qualquer indicação relativamente às datas de início e termo do período da Oferta, durante o qual os acionistas da Semapa poderão aceitar a Oferta. Essa informação será disponibilizada aos investidores nas versões do anúncio de lançamento da Oferta e do prospeto que venham a ser aprovadas pela CMVM e divulgadas pela Oferente ao mercado.

De acordo com o Anúncio Preliminar, com o Projeto de Prospeto e com o Projeto de Anúncio de Lançamento, a contrapartida em dinheiro, anunciada na Oferta, é de 11,40 euros por ação, a pagar em dinheiro, deduzido de qualquer montante (ilíquido) que venha a ser atribuído a cada ação, seja a título de dividendo, de adiantamento sobre lucros de exercício, de distribuição de reservas, ou outro, fazendo‐se tal dedução a partir do momento em que o direito ao montante em questão tenha sido destacado das ações e se esse momento ocorrer antes da liquidação financeira da Oferta.

A Sodim justifica a contrapartida oferecida com “um prémio de 20,0% em relação à última cotação de fecho das ações no mercado regulamentado Euronext Lisbon anterior ao Anúncio Preliminar, ou seja, em 18 de fevereiro de 2021, a qual foi de 9,50 euros por ação; e com um prémio de 37,2% em relação ao preço médio ponderado das ações no mercado regulamentado Euronext Lisbon nos seis meses imediatamente anteriores ao Anúncio Preliminar, o qual é de 8,31 euros por ação.

A Sodim estabeleceu algumas condições para a OPA. Como o prévio registo pela CMVM com a contrapartida de 11,40 euros por ação; que o sucesso da Oferta fique condicionado a que a Oferente passe a deter, em consequência da mesma OPA, um mínimo de 90% dos direitos de voto da Semapa.

A Sodim indica no Anúncio Preliminar e no Projeto de Prospeto que reserva o direito de, no exercício da sua inteira discricionariedade, nas 24 horas subsequentes ao apuramento dos resultados da Oferta, renunciar à condição de sucesso de 90%.

A Oferente referiu também, no Anúncio Preliminar e no Projeto de Prospeto, que assumiu como pressuposto que até ao termo da Oferta não ocorreria qualquer alteração substancial nos mercados financeiros nacionais e internacionais e nas respetivas instituições financeiras, não assumida nos cenários oficiais divulgados pelas autoridades da zona Euro e que tivesse um impacto substancial negativo na Oferta, excedendo os riscos a ela inerentes, ou nos valores mobiliários por esta visados.

Caso a Sodim venha, em resultado da OPA, diretamente ou indiretamente “a deter 90% ou percentagem mais elevada dos direitos de voto correspondentes ao capital social da Semapa, e a adquirir 90% ou percentagem mais elevada dos direitos de voto das ações que são objeto da Oferta, a Oferente irá recorrer ao mecanismo de aquisição potestativa”.

“Se a Oferente vier, em resultado da Oferta, diretamente ou indiretamente a deter 90% ou percentagem mais elevada dos direitos de voto correspondentes ao capital social da Semapa mas não adquirir 90% ou percentagem mais elevada dos direitos de voto das ações que são objeto da OPA, a Oferente irá promover a perda de qualidade de sociedade aberta da Semapa e, posteriormente, ponderará então se irá proceder a uma aquisição potestativa das ações da Semapa que permanecerem na titularidade de outros acionistas”, diz o documento. O objetivo é deixar a The Navigator Company a permanecer a única subsidiária cotada do grupo.

No entendimento do Conselho de Administração, a Sodim é já atual acionista maioritária, e dispõe do conhecimento e dos recursos necessários para assegurar o cumprimento da estratégia da Semapa, “como resulta da informação que a seguir se transcreve e que consta do Projeto de Prospeto”.

A Oferente declara expressamente no Projeto de Prospeto que pretende “dar continuidade à atividade empresarial da [Semapa] e das sociedades por esta controladas, no âmbito do respetivo objeto social e em moldes similares aos que têm vindo a ser desenvolvidos, respeitando a linha estratégica que a cada momento seja definida pelo conselho de administração da [Semapa] e mantendo a confiança no mesmo e na respetiva equipa de direção”, referindo ainda que “não tem intenção de promover a mudança das instalações a partir das quais os negócios da [Semapa] são conduzidos, nem a alteração da atual política de recursos humanos do grupo e das condições de trabalho dos trabalhadores da [Semapa]”, realça o relatório da administração da visada.

A Sodim refere, no entanto, que a intenção manifestada no Projeto de Anúncio de Lançamento e no Projeto de Prospeto não corresponde a uma decisão definitiva no longo prazo, “reservando-se a Oferente, ademais, o direito de, em face das concretas circunstâncias de cada momento, tomar outras opções relativamente à atividade e ao negócio da [Semapa] no cenário de aquisição do domínio total desta.”

O Conselho de Administração da Semapa destaca também que a Oferente [Sodim] refere no Projeto de Prospeto que, para pagar a contrapartida oferecida, “contratou um financiamento, com um prazo de maturidade de oito anos, nos termos do qual ficaram assegurados os fundos necessários”.

Tal como o Jornal Económico avançou o empréstimo vai ser concedido pela CGD, BCP e Santander.

A Oferente garantiu na oferta que o sucesso da OPA “não produzirá, assim, impactos significativos na situação financeira da Oferente e do grupo” e “não obstante, tendo a Oferente recorrido a endividamento para fazer face à Oferta verificar-se-á um aumento do nível de alavancagem financeira consolidada da Oferente, sendo que a mesma dispõe dos meios e ativos para a redução da referida alavancagem e o cumprimento das condições dos financiamentos contratados.”

“Face ao exposto pela Oferente [Sodim] e à luz da informação existente sobre a sociedade e da atual situação financeira e perspetivas de mercado para a Semapa, o Conselho de Administração entende que a Oferta não produzirá um impacto material na respetiva situação financeira”, conclui a administração da Semapa que tem como CEO João Castello Branco.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Sines vai arrancar com Data Centre Campus, um investimento que pode chegar a 3,5 mil milhões

A cerimónia de apresentação do projeto, que pode criar até 1.200 empregos qualificados e é da responsabilidade da empresa star campus, será encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.
Comentários