Administradora do BFA ordenou depósito de 250 mil dólares na conta de diretor de gabinete de José Eduardo dos Santos

Uma gerente do Banco Fomento Angola (BFA) disse que depositou 250 mil dólares em notas na conta do antigo chefe de gabinete do ex-PR de Angola José Eduardo dos Santos a mando da administradora do banco Manuela Moreira.

Uma gerente do Banco Fomento Angola (BFA) disse que depositou 250 mil dólares em notas na conta do antigo chefe de gabinete do ex-PR de Angola José Eduardo dos Santos a mando da administradora do banco Manuela Moreira.

A revelação é feita pela gerente do Centro de Investimento (CI) Sede, Antónia Carvalho, em resposta à investigação do departamento de auditoria interna do banco devido a depósitos suspeitos feitos em 2017, e que foram recentemente apresentados ao Banco Nacional de Angola pelo antigo vice-presidente do BFA António Domingues, que se demitiu na semana passada.

Além de ter participado numa operação de depósito no valor de 21,8 milhões de kwanzas, cerca de 33 mil euros, também em 2017, e que levantou suspeitas, a gerente do CI Sede, Antónia Carvalho, está envolvida no depósito de 250 mil dólares, cerca de 220 mil euros, na conta de Manuel Paulo da Cunha, ‘Nito Cunha’, antigo diretor do gabinete do ex-Presidente da República José Eduardo dos Santos.

“Tratando-se de um depósito em numerário de valor bastante elevado levanta-se de imediato a suspeição sobre a origem de fundos, principalmente porque tratando-se de um funcionário afeto a um órgão do Estado não se percebe a origem de rendimentos em moeda estrangeira, em numerário”, lê-se na análise interna do banco a este depósito, a que a Lusa teve acesso.

 

Recomendadas

Santander Totta diz que não tem qualquer “processo de rescisões por mútuo acordo” em curso

O Banco Santander Totta reagiu aos dois comunicados de cinco sindicatos bancários que pedem que o banco suspensa o processo de redução de pessoal, em curso, por causa do confinamento.

Sindicatos pedem ao Santander para suspender saída de pessoas durante o confinamento

Os três sindicatos – SNQTB, SBN e SIB – já fizeram chegar a sua posição à comissão executiva do Banco Santander liderada por Pedro Castro e Almeida. Os sindicatos pedem que durante o confinamento o processo de redução de pessoal fique suspenso.

Sindicatos querem suspensão das rescisões por mútuo acordo no Santander

Mais Sindicato e o Sindicato dos Bancários do Centro já entraram em contacto com o Santander para apelar que o banco suspenda o processo de rescisões por mútuo acordo que tem em curso.
Comentários