Administradores e entidades relacionadas vendem participações na Sonae Capital

A empresa comunicou esta sexta-feira a venda de várias participações de administradores e entidades relacionadas com estes, no âmbito da oferta lançada pela Efanor, no dia 28 de outubro, por 0,77 euros por ação.

A Sonae Capital comunicou esta sexta-feira a venda de várias participações de administradores e entidades relacionadas com estes, no âmbito da oferta lançada pela Efanor – Investimentos, no dia 28 de outubro, por 0,77 euros por ação.

Assim, “a Change Partners, Sociedade de Capital de Risco, pessoa estreitamente relacionada com Paulo José Jubilado Soares de Pinho, membro do conselho de administração da Sonae Capital, informou, à data de hoje, ter alienado 12.650 ações representativas do capital social da Sonae Capital”.

“Esta alienação enquadra-se no âmbito da aceitação da Oferta Pública Geral e Voluntária de aquisição de ações representativas do capital social da Sonae Capital, lançada pela Efanor Investimentos, SGPS, S.A., em 06 de outubro de 2020. Esta transação foi realizada no dia 28 de outubro de 2020, em mercado regulamentado, pela contrapartida da oferta, no valor de 0,77 euros”, lê-se numa das notas enviadas à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Pelo mesmo preço, e no âmbito da oferta, o administrador da empresa “Álvaro Carmona e Costa Portela comunicou, à data de hoje” a alienação “da totalidade das ações por si detidas”, num total de 24.942.

“Após esta transação, deixam de ser imputáveis ao administrador da Sonae Capital, Álvaro Carmona e Costa Portela, quaisquer ações e direitos de voto da sociedade”, adiantou o grupo.

Além disso, a administradora Maria Cláudia Teixeira de Azevedo informou ter alienado “449.213 ações representativas do capital social da Sonae Capital”, segundo um outro comunicado.

Paralelamente, a sociedade Linhacom, S.A., “pessoa estreitamente relacionada com Maria Cláudia Teixeira de Azevedo, membro do Conselho de Administração da Sonae Capital, porquanto aquela sociedade é dominada por Maria Cláudia Teixeira de Azevedo que é, também, Presidente do seu Conselho de Administração, informou ter alienado, no dia 28 de outubro de 2020, 43.912 ações representativas do capital social da Sonae Capital”.

A sociedade Migracom, S.A., por sua vez, “pessoa estreitamente relacionada com Duarte Paulo Teixeira de Azevedo, Presidente do Conselho de Administração da Sonae Capital, porquanto aquela sociedade é dominada por Duarte Paulo Teixeira de Azevedo que é, também, Presidente do seu Conselho de Administração”, anunciou ter alienado no mesmo dia “213.076 ações representativas do capital social da Sonae Capital”.

Já a sociedade Imparfin – Investimentos e Participações Financeiras, S.A., “pessoa estreitamente relacionada com Duarte Paulo Teixeira de Azevedo” vendeu 577.460 ações representativas do capital social da Sonae Capital.

Por fim, Maria Margarida Carvalhais Teixeira de Azevedo, “na qualidade de membro do Conselho de Administração da Efanor Investimentos, SGPS, S.A., entidade estreitamente relacionada com dirigentes da Sonae Capital” vendeu 838.862 ações do grupo.

No dia 28 de outubro, a Efanor anunciou que tinha comprado mais 62 milhões de ações da Sonae Capital, no âmbito da oferta pública geral e voluntária de aquisição de ações, passando a deter 92,3% do capital social da empresa.

De acordo com a informação remetida à CMVM, a Efanor adquiriu 62.364.172 ações, abaixo dos 81.608.638 títulos objetos da oferta.

A empresa já detinha, através da Pareuro, 168.391.362 ações da Sonae Capital.

Assim, após a oferta, a Efanor passou a deter 92,302% do capital social da empresa.

Recomendadas

O que é preciso para reconstruir o Montepio? Veja a entrevista a Pedro Corte-Real, candidato à liderança da mutualista

Que futuro para a mutualista Montepio? Pedro Corte-Real, crítico das várias lideranças da dona do Banco Montepio e candidato às eleições de 17 de dezembro da Associação Mutualista Montepio Geral pela lista B é entrevistado por Maria Teixeira Alves, grande repórter do JE, relativamente aos grandes desafios desta instituição.

Real Madrid e Barcelona unidos para tentar evitar entrada da CVC Capital na La Liga

A proposta alternativa dos dois maiores clubes da Espanha, juntamente com o Athletic Bilbao, seria que JPMorgan, Bank of America e HSBC emprestassem conjuntamente dois mil milhões de euros em troca de um pagamento anual fixo de 115 milhões de euros estendidos por 25 anos.

CTT esclarece que ação judicial contra Sequeira Braga não foi posta pela empresa

A Maxyield chamou de “comportamento arbitrário praticado por esta empresa cotada” a alegada ação judicial contra Gonçalo Sequeira Braga. Mas os CTT vêm hoje dizer que não há nenhuma ação da empresa contra o acionista minoritário. A ação é afinal da Secretária Suplente da Sociedade, a título pessoal.
Comentários