ADSE vai limitar o financiamento a novos medicamentos para o cancro

O Conselho Nacional da Ordem dos Médicos considerou que existem médicos que estão a ser impedidos de proteger a vida dos doentes por existirem barreiras no acesso a fármacos potencialmente inovadores.

Foto cedida

A ADSE vai limitar o financiamento dos novos medicamentos oncológicos. O Instituto Público de Gestão Participada para os funcionários públicos afirmou que só pode comparticipar os medicamentos que já tenham uma decisão de financiamento de SNS, avança o jornal ‘Público’, esta quarta-feira, 11 de setembro.

Apesar do sistema poder dar autorização quando se trata de casos excepcionais, como quando o doente corra risco imediato de vida ou possa sofrer complicações graves. No entanto, para estes mesmos casos, a partir do próximo dia 16 de setembro, os prestadores de cuidados têm de solicitar autorização prévia na plataforma ADSE Direta, de forma obrigatória.

Esta decisão é anterior à queixa apresentada pela Ordem dos Médicos, da parte oncológica, em, que garantiam existir barreiras no acesso a novos medicamentos utilizados numa fase precoce dos cancros. O Conselho Nacional da Ordem dos Médicos considerou que existem médicos que estão a ser impedidos de proteger a vida dos doentes por existirem barreiras no acesso a fármacos potencialmente inovadores. A Ordem dos Médicos disse aos médicos para registarem as recusas de acesso a medicamentos ao Infarmed.

A publicação sustenta ainda que a ADSE está a deixar de comparticipar alguns destes medicamentos a 100%. A despesa do instituto público aumentou 27% no ano passado, sendo que existem fármacos que custam mais de 15 mil euros por mês. A ministra da Saúde rejeitou a ideia das dificuldades no acesso a este tipo de medicamentos, considerando que em causa podem estar divergências entre as análises técnicas e clínicas.

Recomendadas

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Desnutrição: “Estamos a esconder uma realidade dentro dos lares”

A desnutrição obriga a internamentos sucessivos e agrava a qualidade de vida dos doentes, explica o Dr. Aníbal Marinho, em entrevista. O médico internista do Hospital de Santo António alerta que é importante saber o que se passa nos lares.

Cerca de 20% dos dentistas portugueses emigrados e alunos estrangeiros duplicaram

Quase 20% dos médicos dentistas portugueses estão a exercer no estrangeiro, sendo já mais de 1.500 os que trabalham exclusivamente noutros países, enquanto duplicou em quatro anos o número de estudantes estrangeiros a estudar medicina dentária em Portugal.
Comentários