ADSE vai limitar o financiamento a novos medicamentos para o cancro

O Conselho Nacional da Ordem dos Médicos considerou que existem médicos que estão a ser impedidos de proteger a vida dos doentes por existirem barreiras no acesso a fármacos potencialmente inovadores.

Foto cedida

A ADSE vai limitar o financiamento dos novos medicamentos oncológicos. O Instituto Público de Gestão Participada para os funcionários públicos afirmou que só pode comparticipar os medicamentos que já tenham uma decisão de financiamento de SNS, avança o jornal ‘Público’, esta quarta-feira, 11 de setembro.

Apesar do sistema poder dar autorização quando se trata de casos excepcionais, como quando o doente corra risco imediato de vida ou possa sofrer complicações graves. No entanto, para estes mesmos casos, a partir do próximo dia 16 de setembro, os prestadores de cuidados têm de solicitar autorização prévia na plataforma ADSE Direta, de forma obrigatória.

Esta decisão é anterior à queixa apresentada pela Ordem dos Médicos, da parte oncológica, em, que garantiam existir barreiras no acesso a novos medicamentos utilizados numa fase precoce dos cancros. O Conselho Nacional da Ordem dos Médicos considerou que existem médicos que estão a ser impedidos de proteger a vida dos doentes por existirem barreiras no acesso a fármacos potencialmente inovadores. A Ordem dos Médicos disse aos médicos para registarem as recusas de acesso a medicamentos ao Infarmed.

A publicação sustenta ainda que a ADSE está a deixar de comparticipar alguns destes medicamentos a 100%. A despesa do instituto público aumentou 27% no ano passado, sendo que existem fármacos que custam mais de 15 mil euros por mês. A ministra da Saúde rejeitou a ideia das dificuldades no acesso a este tipo de medicamentos, considerando que em causa podem estar divergências entre as análises técnicas e clínicas.

Recomendadas

Clínicas dentárias Smile.up e Cruz Vermelha vão tratar os dentes a quem procura emprego

“Sorrisos Felizes & Contagiantes” é uma campanha de responsabilidade social organizada pela Smile.Up – clínicas dentárias e pela Cruz Vermelha Portuguesa com o objetivo de prestar serviços de medicina oral a pessoas desfavorecidas que possam ser integradas no mercado de trabalho depois de corrigidos os seus problemas dentários.

Maioria dos hospitais do SNS aponta barreiras a processo de compra de medicamentos – estudo

A larga maioria dos hospitais portugueses considera que o processo de compra de medicamentos nunca é desencadeado atempadamente, apontando a carga administrativa e a falta de recursos humanos como principais problemas.

Cerca de 40% dos hospitais têm ruturas no fornecimento de medicamentos todos os dias

Quase 40% dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam ter diariamente ruturas no fornecimento de medicamentos e outros 30% afirmam que as ruturas ocorrem semanalmente, segundo um estudo que é hoje apresentado.
Comentários