AEP exige “medidas urgentes” face à “subida galopante” da energia

No final de julho, a Associação Empresarial de Portugal tinha já alertado para vários riscos que podem penalizar as exportações nacionais, entre os quais o custo da energia sobre a indústria, quer na eletricidade, quer no gás natural.

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) exige que o Governo tome “medidas urgentes” face à “subida galopante” dos preços da energia em Portugal, alertando que a atual situação pode ameaçar a viabilidade das empresas nacionais.

“Portugal deve tomar medidas concretas, com a maior brevidade possível, sob pena de as empresas portuguesas verem a sua competitividade fortemente comprometida e, mesmo, a sua permanência no mercado ameaçada”, sustenta a associação numa carta dirigida ao ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes.

Neste contexto, a AEP “reclama do Governo uma intervenção urgente em relação à subida galopante dos preços de energia em Portugal”.

Tendo por base dados do Eurostat, a associação refere que “os preços médios da eletricidade pagos pela indústria nacional continuam a inserir-se na metade de países da União Europeia (UE) com preços mais altos”.

Segundo salienta, o país surge, nomeadamente, na nona posição nos dois primeiros escalões de consumo, “onde se situarão as empresas de menor dimensão”.

Na quarta-feira, o Governo anunciou que prevê atribuir 25 milhões de euros à indústria eletrointensiva através do mecanismo de compensação dos custos indiretos de Comercio Europeu de Licenças de Emissão (CELE), com um montante estimado de auxílio a atribuir este ano de 25 milhões de euros.

“O ministro do Ambiente e da Ação Climática, [Matos Fernandes], assinou hoje [quarta-feira] a portaria que cria o mecanismo de compensação dos custos indiretos de CELE, o qual irá beneficiar um universo estimado de 28 instalações eletrointensivas”, indicou, em comunicado, o Governo, estimando em 25 milhões de euros o montante de auxílio a atribuir este ano.

No final de julho, a AEP tinha já alertado para vários riscos que podem penalizar as exportações nacionais, entre os quais o custo da energia sobre a indústria, quer na eletricidade, quer no gás natural.

Na publicação ‘Envolvente Empresarial – Análise da Conjuntura’ relativa ao segundo trimestre de 2021, a AEP destacou “riscos mais estruturais relativos a custos de contexto – que penalizam as exportações, sobretudo de bens -, nomeadamente os elevados preços da energia paga pela indústria nacional, quer na eletricidade (onde estamos na metade de países com preços mais altos), quer no gás natural”.

Apesar dos riscos, a AEP notou, na altura, que as exportações “têm vindo a recuperar bem ao nível das mercadorias, mas prosseguem em forte queda nos serviços e sobretudo no turismo”.

Para a associação, “os riscos mostram que é preciso atuar de forma conjuntural, não retirando prematuramente os apoios à economia, e de forma mais estrutural, ao nível da redução de custos de contexto”.

Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários