Afinal, o BCE cortou taxas… ou subiu?

A introdução de escalões para a taxa dos depósitos que os bancos fazem junto do BCE gerou um efeito no mercado monetário que não foi antecipado: as Euribor estão a subir.

A introdução de escalões para a taxa dos depósitos que os bancos fazem junto do BCE gerou um efeito no mercado monetário que não foi antecipado – as Euribor estão a subir.

Na semana passada, o BCE cortou a taxa de depósito de -0,40% para -0,50%. Esta é a taxa a que os bancos estão sujeitos quando depositam a sua liquidez no banco central. Portanto, os bancos estão a pagar, e não a receber, pelos depósitos que fazem no BCE. Há bastante tempo que esta taxa passou a ser a verdadeira referência da zona euro – desde que o mercado monetário passou a estar com excedentes de liquidez. A existência de taxas de depósito negativas pretende desincentivar o entesouramento por parte dos bancos, levando a que emprestem mais.

Mas o BCE foi sensível a argumentos da banca: se os bancos são obrigados a manter um certo volume de reservas – cuja capacidade de mobilização é reduzida – também não deveriam pagar por isso. Assim, o BCE introduziu uma isenção do pagamento dos tais 0,50%, só que para um montante até seis vezes as reservas obrigatórias. Na prática, isto significa que cerca de 800 mil milhões de euros deixam de estar sujeitos à taxa de depósito, estimando-se que a taxa de depósitos média ponderada passou agora a ser de aproximadamente -0,30%, o que fez ajustar em alta as Euribor.

O BCE cortou a taxa de depósito, mas na prática provocou uma subida das taxas no mercado, o que se espera seja um movimento sem repetição.

Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários