Ageas Portugal adquire o edifício Expo Tower no Parque das Nações

A assessoria da Ageas ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, da Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal.  Os Fundos geridos pela Anchorage Capital Group foram assessorados pela CBRE, pela Morais Leitão, pela Ernst & Young e NPN – Neves, Pinheiro, Neves & Associados.

O Grupo segurador Ageas Portugal anunciou nesta quinta-feira a compra do edifício Expo Tower aos Fundos geridos pelo Anchorage Capital Group à Lace Investment Partners.

Este edifício de escritórios localiza-se no Parque das Nações em Lisboa, tem cerca de 6.000 m2 e inclui 105 lugares de estacionamento.

O Grupo Ageas Portugal junta assim este edifício de escritórios às suas mais recentes aquisições anunciadas em dezembro de 2019, num conjunto total de cerca de 100 milhões de euros de investimento.

A Expo Tower segue-se à compra de três edifícios (Rua Castilho, Entrecampos e Benfica) em 2019 e do início, em 2018, do desenvolvimento da sua nova sede de Lisboa, no Parque das Nações (onde a empresa irá concentrar todas as suas operações). Esta nova sede, assim como a do Porto, irão elevar para cerca de 500 milhões de euros o investimento total do Grupo Ageas no mercado imobiliário português até ao fim do ano 2021.

A assessoria ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, da Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal.  Os Fundos geridos pela Anchorage Capital Group foram assessorados pela CBRE, pela Morais Leitão, pela Ernst & Young e NPN – Neves, Pinheiro, Neves & Associados.

Gilles Emond, Head of Real Estate do Grupo Ageas Portugal diz em comunicado estar “muito feliz” por terem adquirido, “em circunstâncias tão únicas, esta propriedade num local tão privilegiado. Continuaremos a construir progressivamente o nosso portfólio imobiliário, com a ambição de nos tornarmos referência como investidores responsáveis em Portugal”, refere.

 

Ler mais
Recomendadas

A modernização “inevitável” de um setor tradicional como o da advocacia

Mesmo antes da aceleração que a pandemia promoveu, as sociedades de advogados de maior renome viviam já um processo de transição digital que facilitou a adaptação à advocacia remota.

O que dizem os advogados sobre a inovação na hora de servir o cliente

Líderes e responsáveis de inovação dos principais escritórios de advocacia em Portugal falam em compatibilidade entre deontologia e tecnologia, mas alertam para a necessidade de uma “sensabilidade acrescida” ou até de criação de comités para garantir o cumprimento dos deveres da profissão.

Premium‘Big Four’ afastadas da auditoria aos créditos a Luís Filipe Vieira

PwC estava a avaliar restruturação de créditos à Promovalor, mas como a firma audita contas do Benfica SAD, o Novo Banco terá de selecionar nova auditora.
Comentários