Agência Espacial Europeia tem 100 vagas para estagiários e paga 2.300 euros

Com 100 vagas de estágio, os estudantes ou profissionais podem integrar as equipas que desenvolvem os sistemas de exploração lunar ou que preparam o lançamento das missões científicas.

A Agência Espacial Europeia (ESA) abriu 100 vagas de estágio para jovens recém-formados com mestrado, revela no seu site. Além de estágios na área, a ESA oferece ainda uma bolsa com uma remuneração de 2.300 euros por mês. “Caso seja um profissional experiente ou um estudante com mestrado, descobre o impacto que podes ter com uma carreira na Agência Espacial Europeia”, lê-se no comunicado.

“Na ESA oferecemos uma oportunidade única de trabalhar com equipas extremamente dedicadas de cientistas, engenheiros e outros profissionais”, continua a ESA, admitindo ainda que as equipas estão “comprometidas em garantir que a Europa permaneça na vanguarda da pesquisa, desenvolvimentos e operações espaciais”.

Com 100 vagas de estágio, os estudantes ou profissionais podem integrar as equipas que desenvolvem os sistemas de exploração lunar ou que preparam o lançamento das missões científicas, além de ainda terem a oportunidade de colaborar na conceção, design e construção e satélites e de outros veículos.

Em troca de estagiários a frequentar o último ano de mestrado ou já recém-formados, a ESA oferece contratos de um ano com o salário de 2.300 euros, já isentos de taxas de imposto nos 22 estados membros, onde Portugal se insere. Ainda assim, o valor exato pode depender da localização das instalações da agência para onde os estagiários foram alocados, podendo ir para a Holanda, Reino Unido, Espanha, França, Alemanha e Itália.

Além das despesas com as viagens, no início e final do contrato, e das despesas de deslocação da família, se decidirem viver com o estágios, a ESA dá ainda direito a 2,5 dias de férias pagas por mês.

Os interessados podem-se candidatar aqui.

Ler mais
Recomendadas

Conheça a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um ‘jackpot’ de 37 milhões de euros.

Taxa efetiva média de IRC aumentou para 21,1% em 2018

A taxa média efetiva de IRC paga pelas empresas situou-se nos 21,1% em 2018, sendo que apenas junto das empresas que faturam mais de 75 milhões de euros por ano aquela taxa supera o valor médio.

Quase três mil consumidores fizeram queixas dos condomínios este ano

A Deco explica ainda que no caso de obras abusivas, as câmaras municipais são a primeira linha da solução, enquanto nos casos de ruído (entre as 22 horas e as 7 horas), “a PSP é a entidade a contactar”.
Comentários