Agências de viagens sentem-se “abandonadas e à deriva” pelo Governo

Em 2020 as receitas do sector do turismo tiveram uma quebra acima dos 80% em relação ao ano anterior (pré-pandemia) ao que se soma  as perdas acumuladas de mais 80% ao longo de 2021.

Depois de o Governo ter anunciado esta quarta-feira uma nova linha de apoio para micro e pequenas empresas no valor de 100 milhões de euros, a Associação dos Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo (ASGAVT) emitiu um comunicado onde considera que as empresas do sector do turismo foram “abandonadas e deixadas completamente à deriva depois de um verão muito aquém do esperado”.

“Acreditávamos que o foco no desenvolvimento da economia e a retoma para níveis de 2019 passaria certamente por um olhar mais atento e um investimento mais forte no Turismo. Afinal vemo-nos abandonados e deixados completamente à deriva depois de um verão muito aquém do esperado.  A tesouraria das empresas não aguenta mais endividamento como constantemente temos vindo a dizer. O Governo não pode olhar apenas para as receitas geradas pelo sector que tanto contribui  direta e indiretamente. Tem sim de saber apoiar e fomentar esse desenvolvimento”, afirma a ASGAVT.

A associação acrescenta que “abandonar o empreendedor, deixá-lo com as dívidas, com os financiamentos efetuados em tempos de pandemia e com o amargo do despedimento dos trabalhadores é insensato, é inadmissível. Não tivemos direito a mais apoios porque o Governo encerrou toda a nossa atividade, fechou fronteiras e proibiu a saída e entrada de passageiros, mas esqueceu-se de colocar o nosso CAE na lista dos CAES encerrados por decreto. Mais uma vez o erro nunca assumido reflete-se de uma maneira  afrontosa para o empreendedor das agências de viagens”.

Em 2020 as receitas do sector do turismo tiveram uma quebra acima dos 80% em relação ao ano anterior (pré-pandemia) ao que se soma  as perdas acumuladas de mais 80% ao longo de 2021. A ASGAVT acredita que “além do extremamente necessário apoio à tesouraria das empresas das agências de viagens em geral”,  é necessário rever “um apoio extra a algumas áreas específicas da atividade que continuam a ser muito fustigadas como por exemplo as que se dedicam a turismo de negócios, eventos e grupos”.

“Alertamos que se não formos apoiados condignamente, muitos de nós não sobreviverão ao inverno, encerrando portas, acumulando dividas, gerando despedimentos em massa, fazendo com isso que a despesa do Estado aumente substancialmente com o pagamento de subsídios de desemprego, e com o assumir dos custos com os financiamentos contraídos com garantia de estado”, acrescenta a ASGAVT.

Recomendadas

Evergrande chega a acordo para evitar incumprimento de uma das suas dívidas

O gigante imobiliário chinês Evergrande disse esta quarta-feira ter chegado a um acordo com os detentores de obrigações para evitar o incumprimento de uma das suas dívida.

Endividamento das empresas privadas em máximos de 2014 (com áudio)

Desde março de 2014 que o endividamento das empresas privadas não atingia um valor tão elevado. No final de julho, as empresas do comércio e das indústrias eram as que mais contribuíam para este endividamento.

Refinaria de Matosinhos. Galp ainda não apresentou programa de descontaminação de solos (com áudio)

Governo disse que este programa terá de ser apresentado juntamente com o projeto de desmantelamento para esta unidade industrial, o que ainda não aconteceu. Ministro do Ambiente recordou que o PDM local estipula que o local da refinaria deverá continuar a ser usado para fins industriais e não para imobiliário.
Comentários