O regresso da agitação social ao Norte de Marrocos

O Rife volta a ser palco de protestos contra a corrupção e o desemprego. A região, que já foi independente, é das mais empobrecidas do país.

Marrocos

Os motivos são os de sempre e a região a do costume: o Rife – que ocupa a região montanhosa do Norte e Noroeste de Marrocos – tem sido palco de numerosas manifestações populares, a que a polícia do regime tem respondido com um crescendo de violência e que culminou com a prisão de um dos mais destacados manifestantes, Nasser Zefzafi, obviamente desempregado.

O Rife é uma das regiões mais pobres do país, que a monarquia tarda em promover, com os seus habitantes – habituados ao protesto – tentando minorar as condições a que estão sujeitos através da imigração ou da produção de haxixe, que inunda as maiores cidades da Europa e que alguns observadores afirmam ser uma atividade com ligações ao poder central.

Desta vez, os protestos (que já têm um nome: Al-Hirak al-Shaabi, ou Movimento Popular) começaram quando um pescador (Mouhcine Fikri, de 31 anos) foi atropelado por um camião, na sequência de uma rusga policial de que estava a ser alvo por suspeitas de tentar vender peixe obtido ilegalmente. A desproporção da abordagem levou os locais a iniciarem movimentações de protesto que têm estado mais ou menos ativas ao longo dos últimos meses.

A prisão de Nasser Zefzafi – que começou a liderar o processo de forma completamente espontânea, segundo avança a imprensa espanhola (recorde-se que Espanha mantém a posse de vários territórios no Rife) – só serviu para atear ainda mais os protestos. No final da semana passada foi convocada uma greve geral (regional) que acabou com novos confrontos entre os manifestantes e a polícia antimotim, costumeiramente chamada para acabar com protestos do género.

As manifestações – que, segundo os analistas, não têm nada a ver com questões religiosas – foram consideradas separatistas pela autoridade do Estado, mas os manifestantes têm recusado qualquer motivação do género, apesar de, nas manifestações, serem visíveis muitas bandeiras regionais e nunca a bandeira marroquina.

Os manifestantes têm alargado o âmbito das suas reivindicações, ouvindo-se palavras de ordem contra a corrupção, a repressão e o desemprego e pedindo o aumento dos investimentos reprodutivos na região – muito afetada pelo ‘desvio’ dos fundos públicos para Ceuta.

 

Protestos com décadas

O Rife – onde, entre 1921 e 1926, foi instalada uma república autónoma de Marrocos (daí os fantasmas do separatismo), mas conseguida à custa da guerra contra Espanha – tem sido palco de diversas ondas de protesto ao longo das últimas décadas. Os mais graves aconteceram em 1958 (dois anos depois da independência de Marrocos) e foram reprimidos pelo futuro Hassan II (pai o atual Mohammed VI) quando este era apenas comandante das Forças Armadas.

Segundo as crónicas da altura, o príncipe Hassan terá atacado a região com napalm – depois de os seus habitantes terem sido alvo, durante a República, de ataques químicos por parte dos espanhóis. Quando chegou ao poder, Hassan II nunca visitou a região, que se tornou paulatinamente cada vez mais pobre. A tais pontos, que os protestos regressaram em força em 1984, desta vez bastante mais politizados: incluíram o apoio declarado à independência da Palestina e a outras causas internacionais da agenda da esquerda europeia. Nada disso, ainda segundo a imprensa espanhola, se repete desta vez.

Ler mais
Recomendadas

Eleições EUA: “Nunca recebi um centavo de fontes estrangeiras”, disse Joe Biden pressionado por Trump

“Creio que você tem de esclarecer isto ao povo americano”, insistiu Donald Trump, que também acusou Joe Biden de ter recebido 3,5 milhões de dólares (2,97 milhões de euros) da Rússia e referiu o cargo de Hunter Biden na Burisma, uma empresa de energia ucraniana, com possíveis conflitos de interesse.

Eleições EUA: Norte-americanos queriam botão de silenciamento a funcionar mais no debate

Os pedidos para silenciamento de microfones ligaram-se mais às intervenções de Donald Trump, com a acusação, vinda de vários participantes virtuais, de o Presidente incumbente esconder informações sobre o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Assinado primeiro grande acordo pós-Brexit entre Londres e Tóquio

No ano passado, o comércio entre o Reino Unido e o Japão representou mais de 30 mil milhões de libras (33,2 mil milhões de euros), segundo o Governo britânico.
Comentários