Agora todos querem ser ecologistas

Ao mesmo tempo que aumentam os discursos ambientais, aumentam também as vozes que pretendem desligar a ecologia política da categorização entre esquerda e direita. A ecologia, enquanto ideologia política, é de esquerda.

O ambiente tem estado na ordem do dia, muito devido aos desafios que o mundo enfrenta. Todos falam desta temática, as boas intenções proliferam e até se pode produzir muita legislação ambiental, mas só haverá uma mudança séria de paradigma quando se romper com os interesses instalados.

O ambiente não pode estar na primeira linha da orientação política apenas quando constitui uma oportunidade de negócio para o poder económico ou quando pode dar votos.

A ecologia política, enquanto ideologia, tem como premissa a sustentabilidade baseada em três pilares que se devem complementar: ambiental, social e económico. Deve ter uma visão completa do desenvolvimento, onde a espécie humana se relacione em harmonia com todas as espécies e com a natureza, garantindo a sua auto-regeneração, para que as gerações presentes e futuras não fiquem privadas de recursos naturais imprescindíveis à vida.

Hoje sentimos a falência de um modelo capitalista e neoliberal, que enche os bolsos do sistema financeiro, arrasando o que for preciso para garantir o seu sucesso: explora os seres humanos, devasta ecossistemas, delapida recursos naturais e destrói a própria sustentabilidade do planeta. Prevalece a lei do mercado e do salve-se quem puder, concentrando-se a riqueza numa minoria de pessoas muito ricas, enquanto uma vastíssima maioria vê serem-lhe negados os mais básicos direitos fundamentais.

Provavelmente muitos dirão que o mundo é mesmo assim, mas a História, ao longo dos tempos, tem-nos mostrado que vale a pena agir e que o conformismo não é alternativa.

Ao mesmo tempo que aumentam os discursos ambientais, aumentam também as vozes que pretendem desligar a ecologia política da categorização entre esquerda e direita. Desde logo, esta diferenciação não é de menor importância nos dias de hoje. Mais do que rótulos, trata-se, acima de tudo, de valores e de coerência da acção.

Facilmente se percebe que é inconcebível um movimento ecologista que não tenha uma base de denúncia do actual sistema, bastante depredador dos nossos recursos naturais e que anseia desmesuradamente pela obtenção de lucro. A transformação que se impõe não é possível à direita, nem através de uma esquerda conformada com os princípios da direita, que alimenta a lógica da continuidade do sistema.

Por exemplo, não é indiferente o sector da água ser público ou privado. Aliás, a apropriação da gestão dos recursos naturais é uma ambição de quem quer garantir o poder, não para servir a humanidade, mas para enriquecer e para a tornar dependente dos seus serviços.

Claro que a direita não pode nem deve esquecer o ambiente, até porque a sua preservação é uma obrigação de todos. Convém não esquecer que a própria Constituição da República Portuguesa consagra no Artigo 66.º que “todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender”.

Mas os mesmos que rejeitam a dicotomia esquerda/direita, ou que até acham que a ecologia pode ser de direita, são, porventura, os mesmos que aceitam que a responsabilidade se centre apenas no comportamento individual, que é determinante mas não chega, e não ousam propor uma verdadeira transformação, nem exigir que o poder político assuma a sua obrigação na mudança de paradigma.

Esquecer esta vertente, desresponsabilizando o poder político e incutindo toda a responsabilidade no cidadão, não é correto, e não é seguramente de esquerda. A ecologia não pode servir fundamentalismos, proibicionismos ou aproveitamentos políticos. Ao cidadão pode pedir-se tudo, inclusive que pague multas e taxas, e ao mercado não pode pedir-se rigorosamente nada porque é intocável?

Não será por acaso que, ao longo dos anos, os documentos saídos das Conferências das Nações Unidas sobre ambiente e alterações climáticas, sendo positivos nos seus objectivos, pecam porque, mesmo reconhecendo que o modelo político e económico que impera no mundo é a causa de muitas das problemáticas ambientais, não propõem uma ruptura, procuram soluções dentro desses modelos, apenas minimizando a agressividade dos seus malefícios.

A ecologia, enquanto ideologia política, tem um lado e é de esquerda. Não é uma questão de pertença, mas de valores e princípios. É um projecto de transformação da sociedade com o objectivo de promover a justiça social, indissociável da sustentabilidade do desenvolvimento, e de valorizar a base e sustentação da vida – a natureza –, através de um sistema que coloque, de uma vez por todas, a economia e o conhecimento científico ao serviço da humanidade.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

A idade sem razão

Insistir no uso da idade cronológica, ou a ausência de preocupação com o que representa a desvalorização social de se ser mais velho, é reveladora de uma enorme insensibilidade à mudança social. O resultado é o desperdício de capital humano para as sociedades que envelhecem.

Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação

O psíquico de Trump

Trump conseguiu o que nenhum dos seus antecessores conseguiu. Pôr os europeus a gastar mais com a defesa, e reduzir significativamente a contribuição americana para o orçamento da NATO.
Comentários