“Agricultores foram excecionais durante o período inicial da pandemia”, afirma Marcelo

O Presidente da República marcou presença na apresentação do ‘Ambição Agro 2020-30’ onde aproveitou para enaltecer o papel que o setor agrícola desempenhou durante o confinamento provocado pela pandemia do coronavírus.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa não poupou elogios sobre o papel que os agricultores portugueses desempenharem em Portugal, quando o país ficam em confinamento devido à Covid-19. “Os agricultores portugueses são e foram excecionais durante o período inicial da pandemia”, referiu o Presidente da República esta quinta-feira, 24 de setembro, na apresentação do programa ‘Ambição Agro 2020-30’ da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) que decorreu no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

“Para muitos era improvável que a agricultura portuguesa pudesse passar de um setor do passado para um setor do futuro. Os agricultores portugueses mostraram o contrário e que era possível num espaço de tempo imprevisível mudar a agricultura em Portugal, o protagonismo dos agricultores e da agricultura na economia portuguesa e o seu papel ao serviço do país”, realçou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República enalteceu a capacidade de sintonia que a CAP teve com um número muito significativo de agricultores e ao mesmo um realismo e pragmatismo, permitindo contribuir para que Governo, após Governo e independentemente da sua cor ajudar na mudança da agricultura em Portugal.

“A agricultura não pára e não parou. Isso foi psicologicamente fundamental durante o período de confinamento. O sucesso de uma decisão tão complexa quanto a do Estado de Emergência e as suas duas renovações, com um confinamento voluntário, mas muito intenso, está ligado largamente à garantia que os agricultores portugueses deram, e não só eles, para que a economia não parasse e não houvesse, de repente, um vazio económico e social superior aquele que tinha de existir por força das circunstâncias”, salientou o Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República aproveitou o momento para recordar que a primeira deslocação que fez para fora do Palácio de Belém sem violar as regras sanitárias foi a de se deslocar a uma unidade agrícola para agradecer aos agricultores portugueses.

Relacionadas

“Graças à inovação na agricultura, Portugal reduziu em 400 milhões o seu défice alimentar”, diz António Costa

O primeiro-ministro esteve presente por videoconferência na apresentação do ‘Ambição Agro 2020-30’, e fez questão de frisar que a agricultura é uma atividade virada para o futuro e não do passado.

“Elaborámos um pacote que não é reivindicativo, mas é reivindicador”, afirma líder da CAP

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) falou na apresentação do ‘Ambição Agro 2020-30’, o plano de recuperação da atividade económica nacional da CAP que decorre esta quinta-feira no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
Recomendadas

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.

Maior desafio do próximo século será reconciliar a biodiversidade com a economia, defende Comissão Europeia

Durante a terceira edição do Blue Bio Value, John Bell, um dos membros da Direção-Geral de Pesquisa e Inovação da Comissão Europeia considerou que o próximo passo da transição sustentável será reconciliar a biodiversidade com a economia. “Essa vai ser a tarefa mais desafiante do próximo século”, vincou.

António Costa defende que se “destruam os fantasmas da regionalização”

“É preciso destruir os fantasmas da regionalização, para que o país possa um dia pronunciar-se de novo sobre este tema, sem temores de aumento de despesa, multiplicação de lugares, etc. Porque é que os cidadãos não hão-de eleger os seus representantes regionais se já conseguimos que os autarcas o fizessem?”, questionou o primeiro-ministro.
Comentários