Água da EPAL vai ficar 8 cêntimos mais cara

O novo tarifário da EPAL, responsável pelo abastecimento de água à cidade de Lisboa, para o ano de 2021 foi aprovado e entra em vigor no dia 1 de abril para os clientes diretos.

O preço da água vai aumentar oito cêntimos por mês para a maioria das clientes domésticos da EPAL, a partir de abril, anunciou a empresa responsável pelo abastecimento de água à cidade de Lisboa.

O novo tarifário da EPAL para o ano de 2021 foi aprovado e entra em vigor no dia 1 de abril para os clientes diretos, informou esta quarta-feira a empresa que, a partir dessa data, atualizará o preço a cobrar pela água consumida.

“A atualização de preços, para a grande maioria dos clientes domésticos da EPAL, cerca de 85%, é de 8 cêntimos por mês”, refere a EPAL num comunicado em que especifica que o valor é referente aos consumidores com um consumo médio mensal de oito metros cúbicos (8.000 litros) e um contador até 25 mm.

No comunicado, a EPAL sublinha ainda que tem disponível a tarifa social da água destinada a clientes mais carenciados, que prevê descontos que podem ir até aos 93%, e uma tarifa familiar destinada a agregados familiares com cinco ou mais pessoas.

Recomendadas

AIE: Emissões de carbono deverão atingir em 2021 segundo nível mais alto da história

A subida deve ficar apenas atrás da recuperação massiva de há 10 anos, após a crise financeira, deitando abaixo as expectativas de combate às alterações climáticas, a menos que os governos ajam rapidamente, alertou a Agência Internacional de Energia (AIE).

Clima: Indicadores e impactos agravaram-se em 2020 e covid-19 só piorou

Os indicadores e os impactos das alterações climáticas agravaram-se em 2020, um dos três anos mais quentes de sempre, e a pandemia de covid-19 abrandou a economia mas não as concentrações de gases, alerta um relatório hoje divulgado.

PremiumPlástico de uso único deverá acabar até 2025

O Pacto Português para os Plásticos já conta com mais de uma centena de entidades membro após o primeiro ano de atividade, marcado pela pandemia.
Comentários