Água nas barragens algarvias dá para abastecer região até final do ano

Empresa responsável pela gestão do sistema municipal do abastecimento de água nos 16 municípios da região indicou que não existem “zonas críticas” de abastecimento às populações, já que a estação elevatória reversível de Loulé permite a “transferência de água de barlavento para sotavento e vice-versa”.

A água armazenada nas barragens algarvias é suficiente para o consumo humano na região até ao final do ano e não há “zonas críticas” no Algarve a nível de abastecimento, disse hoje à Lusa a porta-voz da Águas do Algarve.

Segundo Teresa Fernandes, são necessários 72 milhões de metros cúbicos para abastecer de água a região do Algarve durante um ano e é esse valor que está atualmente nas barragens de Odeleite, Beliche e Odelouca, sendo que esta última serve apenas para abastecimento humano.

No entanto, é necessário ter em conta a água utilizada pela agricultura, que utiliza também duas dos três barragens algarvias.

A porta-voz da empresa responsável pela gestão do sistema municipal do abastecimento de água nos 16 municípios da região indicou que não existem “zonas críticas” de abastecimento às populações, já que a estação elevatória reversível de Loulé permite a “transferência de água de barlavento para sotavento e vice-versa”.

No que toca às zonas com “falta de água”, como é o caso do concelho de Castro Marim, onde a autarquia está a levar água a cerca de 30 povoações em autotanques, Teresa Fernandes referiu que se trata de localidades ainda sem ligação à rede, já que a empresa fornece os municípios e estes, por sua vez, “abastecem as populações”.

A Águas do Algarve faz a gestão da água das barragens, mas também do aquífero Querença – Silves (águas subterrâneas), o principal da região, ao qual já “têm recorrido” numa gestão integrada de todas as fontes, para que “não se esgote nenhuma das origens”, frisou.

A entrada na chamada época das chuvas, com um novo ciclo hidrológico, traz a expectativa de uma reforço da águas nas barragens, embora não haja ainda necessidade “de um racionamento”.

Contudo, advertiu a responsável, é necessário sensibilizar as populações para a necessidade da poupança de água e, acima de tudo, para o “combate aos desperdício”.

A empresa responsável pelo abastecimento de água no Algarve irá manter uma monitorização do aquífero e do nível das barragens, estabelecendo uma “ligação direta e diária” com a Águas de Portugal.

Vai também manter ativa uma campanha lançado no verão para contribuir para a consciência coletiva de uma situação que, “não sendo alarmante”, deve ser encarada como alguma atenção, concluiu.

Ler mais
Recomendadas

Sem turistas, canais de Veneza estão mais limpos que nunca

Golfinhos, peixes e cisnes fazem agora parte dos canais de Veneza, que há várias décadas não viam a água tão transparente.

Covid-19: novas recomendações para a gestão de resíduos

Os sacos de lixo devem ser devidamente fechados e colocados dentro de um segundo saco, fechado, e depositado no contentor de resíduos indiferenciados”. Viaturas de recolha e contentores devem ser mais higienizadas. Caso se verifique uma taxa de absentismo que não permita a recolha adequada, e de forma seletiva de todas as frações de resíduos urbanos, preconiza-se a recolha conjunta da fração indiferenciada e da depositada seletivamente, garantindo sempre que a frequência de recolha de resíduos indiferenciados não é prejudicada.

Covid-19: Foram emitidas menos um milhão de toneladas de CO2 por dia

A Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou esta semana um relatório segundo o qual a procura global de petróleo deve contrair-se este ano pela primeira vez desde 2009, devido à Covid-19, sendo que estão em causa menos 90.000 barris de petróleo por dia em relação ao ano passado, não ultrapassando os 99,9 milhões de barris por dia.
Comentários