Ahmed Al-Tayeb

Se em Portugal se concederam nacionalidades a judeus expulsos que aqui se fizeram, o que impede que se reconheça o mesmo a árabes em iguais circunstâncias?

Façamos o que se impõe quando olhamos os diversos movimentos do islamismo nos nossos dias. Há movimentos radicais, mas há centenas de milhão de crentes maometanos que seguem uma vida de gente de bem.

O que leva a que se apresente, no subliminar do debate público, a ideia de que estamos em presença de uma “gente” destinada a impor uma certa visão de sociedade? O que nos afasta da realidade de outras conceções de vida que são, igualmente, dogmáticas, inaceitáveis e até negacionistas de uma visão contemporânea dos direitos universais?

Houve, ao longo das últimas décadas do século passado, uma atitude de menorização, de marginalização das culturas árabes, ampliada com os acontecimentos das Torres Gémeas. Essa menorização foi ao ponto de cortar as amarras no progresso ecuménico, de construir uma fábula medonha em torno de gente tão boa ou tão má quanta a que existe por outros lados e crenças.

Só sabemos olhar para eles, para as suas culturas e para o que consideramos atavismo societal. Esquecemo-nos que os católicos de hoje, se seguissem os santos ensinamentos de Roma não usariam preservativo (mesmo com SIDA), que se ouvissem o que dizem os cardeais nunca se divorciariam.

Só reparamos no ainda insuficiente progresso no respeito pelas mulheres, mas olvidamos o mesmo no que implica com práticas de igrejas ortodoxas.

Só consagramos a luta armada num território específico e já alienamos o sofrimento que os povos irlandeses impeliram a si próprios durante dezenas de anos e que fez vítimas incomensuráveis.

Só consagramos a visão desconexa de muitos árabes porque fechamos os olhos à permanente cristalização de uma parte da sociedade israelita, agarrada a pergaminhos que impedem o casamento com outras civilizações e com outras leituras do mundo.

Os ocidentais deveriam ter mais profundidade no estudo das culturas islâmicas. Elas foram essenciais para o desenvolvimento da velha e caduca Europa, assumiram momentos de revolução científica, de crescimento humano. E, por isso, a arrogância de que nos munimos não é aceitável.

Seria miopia se não indicássemos as profundas divergências que atravessam o mundo islâmico e não referíssemos que há uma permanente luta pelo poder, intemporal e temporal, porque os dois coincidem em enormes territórios de África e Ásia.

Desde logo a divergência que consagra, ou não, a primazia da função eclesial advinda por herança de Maomé. É aqui, por simplismo, que radicou a divergência entre sunitas e xiistas. Os primeiros pela valorização das “cartas” fundadoras; os segundos pela relevância dos descendentes de Ali, primo e genro de Maomé.

Os sunitas, que assumem Ahmed el-Tayeb, imã de el-Azhar, no Egito, como a grande referência e apesar de ter sido nomeado pelo ditador Hosni Mubarak, são considerados como o grande núcleo de seguidores, mais de 80% das comunidades seguidoras de Maomé.

As referências etimológicas levam-nos ao encontro da sua consagração inicial. Ela advirá do facto de se consagrarem seguidores da “sunna”, lições do inicial transmitidas pela “sahaba” relatada pelos contemporâneos de Maomé.

Muitos dos líderes religiosos sunitas indicam-se como sendo “os moderados”. Não haverá total correspondência com a verdade. Deste universo saíram os grandes grupos terroristas que conhecemos e são também daqui as sociedades mais contestadas em termos de progressos sociais.

Mas há uma certeza, por serem a grande massa serão também a massa maior de gente eticamente irrepreensível.

El-Tayeb é um intelectual que conhece bem Portugal, que gosta de Portugal. Tem sido por ele colocada uma questão relevante – se por aqui se concederam nacionalidades a judeus expulsos que aqui se fizeram, o que impede que se reconheça o mesmo a árabes em iguais circunstâncias?

Esta é uma importante questão que interessa olhar em tempo próximo.

Recomendadas

Theresa May, a ‘dancing queen’

Um vídeo que mostrava Theresa May a dançar num evento durante uma visita em Nairobi em agosto provocou chacota geral, tão desajeitados e fora de ritmo eram os passos da primeira-ministra britânica.

Às armas?

Macron não está sozinho na Europa. Angela Merkel deu, no Parlamento Europeu, um claro sinal de querer ir a jogo.

Mais alguns sinais

Os cortes nos orçamentos da PJ e PGR para 2019 são nova prova de que a política não olha para a investigação com o respeito adequado. E esta é a explicação benigna.
Comentários