Airbnbs em Lisboa e Porto perderam 5,5 milhões em março devido à Covid-19

O mês de abril deverá acompanhar a tendência de queda no setor depois da Airbnb ter alterado as políticas de arrendamento que permitem cancelar reservas, gratuitamente, entre 14 de março e 31 de maio.

O negócio do arrendamento de curta duração em Lisboa e na cidade invicta sofreu uma quebra em março devido ao surto do novo coronavírus. Em março, a capital portuguesa facturou menos 28,6% face a fevereiro, o que traduz numa quebra em cadeia de 4,6 milhões de euros. No Porto, as perdas atingiram em março 2,1 milhões de euros, ou 30,7% face ao mês precedente.

Segundo a notícia avançada pelo “Publico”, esta quarta-feira, que cita os valores recolhidos pela consultora Airdna, as duas cidades, que são os destinos nacionais mais representados no Airbnb, a par do Algarve, perderam 5,5 milhões de euros em termos homólogos.

Os dados da empresa de análise de dados para o mercado mundial de arrendamento turístico em plataformas online, informam ainda que, apesar de só estarmos na primeira semana do mês, abril deverá ser outro mês negro para o alojamento local nestas duas grandes cidades. No mês passado, o Airbnb alterou a política de cancelamentos, garantindo agora devolução de 100% do montante para reservas entre 14 de março e 31 de maio. Esta medida, deverá incentivar mais clientes a cancelarem as suas reservas.

A Airdna informa que, pelo menos até dia 2 de abril, Lisboa teria garantida uma quebra de 61% das receitas em termos homólogos. No Porto, a descida seria de 48%. No mercado nacional, a perda ascenderia a 28%. Porém, este valor deverá aumentar agora que o processo de cancelamento é mais fácil e as restrições mais apertadas.

Traduzindo percentagens em dinheiro, as perdas portuguesas no início de abril face ao mesmo mês de 2019 já ascendiam a 13,6 milhões de euros. Mas como estes dados foram retirados no início do mês, é de esperar perdas maiores.

As maiores perdas concentram-se em Lisboa. Se não houvesse mais cancelamentos depois de 2 de abril, a capital portuguesa perderia 12 milhões de euros face a abril de 2019. No Porto, as perdas já eram de 3,4 milhões, em termos homólogos, no início do mês.

Todavia, nem tudo são más notícias. Com base em projeções, a faturação nacional só voltará a crescer em termos homólogos a partir de junho, em cerca de 1%. Porém, como o passado recente tem demonstrado, o turismo é anfitrião das maiores incertezas económicas desta pandemia.

Ler mais
Relacionadas

Airbnb angaria mais de 900 milhões para fazer face aos efeitos da pandemia da Covid-19

Recentemente, o Airbnb reviu internamente a sua avaliação diminuido-a para 26 mil milhões de dólares, devido às restrições em vigor nas deslocações e viagens turísticas por todo o mundo.

Airbnb vai pagar 25% dos cancelamentos de reservas ao anfitriões

A plataforma de alojamento local disponibilizou um fundo de 250 milhões de dólares que visa proteger os anfitriões de reservas canceladas devido à pandemia da Covid-19.

Covid-19. Airbnb dá ‘luz verde’ a cancelamentos de reservas “sem custos nem penalizações”

Para os viajantes que tinham alojamentos reservados nas próximas semanas, a plataforma garante que podem agora ser canceladas e reembolsadas na sua totalidade. Para os anfitriões, o Airbnb garante estar a trabalhar para identificar diferentes ferramentas e iniciativas que deem suporte “nestes tempos tão incertos”.
Recomendadas

Rede internacional de cabeleireiros critica promoção de “prestação de serviços de beleza ao domicílio”

A Jean Louis David, impedida de trabalhar devido às proibições decretadas pelo Governo durante o confinamento geral, “não considera aceitável que esta situação possa existir”, referindo-se à publicação do estudo que aborda o aumento da procura por estes serviços fornecidos em domiciliário.

Tecnológica IBM expande serviços de cloud híbrida com banca e saúde na mira

A “IBM Cloud Satellite” pretende permitir aos clientes – altamente regulados e com um grande volume de informação para processar -controlarem o armazenamento das suas informações e de grandes quantidades de dados online.

United Airlines encomenda 25 novos Boeing 737 Max para 2023

Os modelos 737 Max da companhia aérea estiveram sem voar desde março de 2019, depois de dois acidentes na Indonésia e na Etiópia terem causado a morte de 346 pessoas.
Comentários