Airbus aproveita fraqueza da Boeing. Lufthansa quer mais vinte aparelhos A350

Decisão do grupo alemão Lufthansa veio reforçar o seu estatuto como o maior cliente e operador da Airbus.

O maior operador de aparelhos Airbus, o grupo Lufthansa, assinou uma nova encomenda para 20 aviões wide-body A350-900. Este acordo permite elevar o total que encomendas já feitas do grupo Lufthansa para 45, sendo que a companhia já opera com 12 aviões destes em todo o mundo.

“O A350 satisfaz todas as nossas expectativas. O avião é muito fiável e o feedback de todos os nossos clientes é excelente,” garantiu Detlef Kayser, membro do Conselho de Administração do grupo Lufthansa. “Estamos satisfeitos por acrescentar mais 20 aviões A350 à nossa frota. Os aviões wide-body adicionais irão reduzir os nossos custos operacionais, reforçar a fiabilidade da nossa frota de longo curso, melhorar a nossa performance ambiental e fornecer aos nossos passageiros as cabinas mais modernas da sua categoria”, continua o Kayser.

“O A350 XWB está sempre a gerar feedback positivo da comunidade de companhias aéreas e estamos satisfeitos por ver o nosso cliente de longa data, o grupo Lufthansa, voltar a encomendar mais aviões,” afirmou Christian Scherer, Diretor Comercial da Airbus.

A decisão do grupo alemão Lufthansa veio reforçar o seu estatuto como o maior cliente e operador da Airbus. Com 674 aviões Airbus encomendados, já incluindo a encomenda mais recente, e 574 aviões Airbus na frota atual do grupo, onde se incluem 28 aviões A220, 420 aviões, 100 aviões A330/A340, 12 aviões A350 e 14 aviões A380.

Até final de fevereiro de 2019, a família de aviões A350 XWB já tinha recebido 852 encomendas de clientes de todo o mundo, posicionando-o como um dos aviões wide-body mais bem-sucedidos de sempre.

Após a queda da Boeing na bolsa, a Airbus já está na corrida para se tornar uma das marcas de aviões mais vendidas no mundo.

Ler mais
Relacionadas

Boeing tomba em bolsa mais de 7%

Na abertura da sessão desta terça-feira, em Nova Iorque, as ações das construtora de aviões norte-americana valiam 384,71 dólares. Mas o preço da ação caiu para os 371,66 dólares à medida que mais países decidiram suspender os voos do modelo Boeing 737 Max 8.

Ninguém arrisca a utilização do Boeing 737 Max. Estes são os 52 países que interditaram este modelo

A queda do aparelho da companhia aérea etíope, um Boeing 737-8 Max, que matou as 157 pessoas que seguiam a bordo, apresenta semelhanças sensíveis ao incidente de outubro último, com outro Boeing do mesmo modelo pertencente à Lion Air, uma companhia da Indonésia, que matou 189 passageiros e tripulação.

737 Max 8: Boeing diz que a segurança é a sua “principal prioridade” depois da proibição de voar na Europa

A construtora aeronáutica garante ter “total confiança” no Boeing 737 Max 8. Regulador europeu decretou ontem a suspensão de todos os voos deste modelo nos céus de Portugal e da Europa.

Boeing 737 Max 8 proibido de voar no espaço aéreo de cinco países europeus

O primeiro país europeu a tomar esta decisão foi o Reino Unido, após a CAA (a autoridade civil da aviação britânica) ter recomendado a suspensão da circulação deste Max 8, “como medida de precaução”.
Recomendadas

Pensão de Horta-Osório gera polémica interna no Lloyds

O gestor português é acusado de ter benefícios muito acima do que a instituição pratica para a generalidade dos seus funcionários. A polémica pode ‘resvalar’ para a assembleia geral de maio próximo.

Standard & Poor’s volta a subir rating do Banco BPI

Agência destaca a sólida posição do BPI no negócio de banca comercial em Portugal e uma qualidade dos ativos melhor do que os competidores domésticos.

Deutsche Bank terá emprestado 2 mil milhões de dólares a Donald Trump durante 20 anos

Antes de ser eleito, foram concedidos pelo banco alemão empréstimos no valor 2 mil milhões de dólares a Donald Trump. O relatório do ”New York Times” avança que estas cedências foram feitas num espaço de duas décadas.
Comentários