Airbus e Agência Espacial Europeia renovam parceria até final de 2020

O acordo é especialmente importante, tendo em conta as investigações feitas pelos astronautas presentes na ISS, a fim de assegurarem a fiabilidade de todos os sistemas presentes.

NASA

A Agência Espacial Europeia (ESA – sigla em inglês) assinou a renovação por mais um ano com a fabricante de aviões Airbus para a continuação da operação e utilização dos componentes europeus na Estação Espacial Internacional (ISS – sigla em inglês), pelo valor de aproximadamente 16 milhões de euros.

O acordo é especialmente importante, tendo em conta as investigações feitas pelos astronautas presentes na ISS, a fim de assegurarem a fiabilidade de todos os sistemas presentes.

A equipa internacional liderada pela ESA tem a responsabilidade de assegurar o normal funcionamento dos sistemas de suporte de vida, abastecimento de água, sistemas de controlo de voo, equipamento laboratorial e payloads experimentais a bordo do módulo europeu ‘Columbus’.

O acordo entre a ESA e a Airbus será válido até ao final de 2020 e inclui os seguintes pacotes de serviços – apoio durante as operações (preparar/conduzir as experiências e providenciar suporte de engenharia), preparar as missões da ISS, manter/reparar e desenvolver sistemas, e por fim, manter e desenvolver software).

A Airbus coopera desde 2004 com a ISS e foi, inclusivamente, responsável pelo desenvolvimento e construção do laboratório ‘Columbus’.

Recomendadas

Monese e Mastercard fazem parceria europeia

O objetivo do acordo é oferecer serviços bancários locais para consumidores em toda a Europa, incluindo em Portugal. Os clientes das contas multi-currency da ‘fintech’ britânica passam a ter acesso à rede global de aceitação de cartões Mastercard.

Já foi atingida a supercondutividade à temperatura ambiente

A supercondutividade à temperatura ambiente já foi atingida. Mas esta tecnologia ainda não está pronta para entrar no nosso dia-a-dia.

Netflix ganhou 2,2 milhões de assinantes pagos no terceiro trimestre

A empresa de televisão por ‘streaming’ reportou subscrições e lucros abaixo das expectativas dos analistas, naquele que foi o primeiro relatório e contas desde que o diretor de conteúdos Ted Sarandos foi promovido a co-CEO, juntando-se a Reed Hastings.
Comentários