Ajude-me Sr. Doutor, dói-me o digital

A interdependência entre diferentes tecnologias, bem como a utilização de chavões e conceitos diferentes para descrever a mesma coisa, dificultam o planeamento da transformação digital.

Com a democratização tecnológica cada vez mais presente na nossa rotina diária, é fácil assumir que a digitalização da nossa sociedade e da nossa economia é já uma realidade incontornável e imparável.

No entanto, vemos hoje um movimento potenciado por esta realidade ao qual gosto de chamar síndrome digital: a repetição incansável de sintomas que demonstram as alterações decorrentes da evolução tecnológica, para justificar que a sociedade e a economia se têm de transformar radical e absurdamente.

(Quem ainda não ouviu o argumento das empresas sem ativos – Uber, Alibaba, Airbnb e Facebook – repetido à exaustão?)

Longe de mim afirmar que não existe uma necessidade de evolução associada a estes movimentos. Acredito, plenamente, que empresas e sociedade enfrentarão transformações complexas que devem ser, no entanto, endereçadas com alguma capacidade de abstração do “ruído” e dos chavões, de forma a evitar a hipocondria digital.

De facto, há uma necessidade grande de prevenir a doença (preparar a digitalização), seja porque hoje esta tem mais estirpes (a abrangência de tecnologias a considerar é maior do que no passado), seja porque esta se propaga mais depressa (a velocidade do desenvolvimento e adoção da tecnologia aumentou significativamente).

No entanto, a digitalização padece de contextualização (diagnóstico), sobretudo no quadro empresarial. A doença afeta de forma distinta diferentes organismos (empresas) e é seletiva em relação aos órgãos (funções) que escolhe.

O estudo “The  case for digital reinvention”, demonstra que a penetração e o estágio de maturidade digital de diferentes setores e indústrias é efetivamente distinto, apesar de, em todos, existir a sensibilidade de que o impacto já não é residual.

O mesmo estudo demostra que, também no quadro das diferentes componentes da cadeia de valor, não só o impacto da digitalização é variável, como também gera diferentes resultados económicos e financeiros.

Mas não é só a doença que é complexa, a forma como a cura é comunicada complica a compreensão por parte do doente: a interdependência entre diferentes tecnologias, bem como a utilização de chavões e conceitos diferentes para descrever a mesma coisa, dificultam o planeamento da transformação digital.

Um estudo do MIT (“Achieving digital maturity”), identifica que as empresas mais maduras no quadro digital, não só integram a transformação digital no core do planeamento do seu negócio, como realizam esse planeamento a horizontes temporais mais abrangentes, identificando subsequentemente qual o mix mais equilibrado entre pequenos projetos/pilotos digitais e operações mais transformacionais na organização.

Estas organizações diagnosticam, de forma clara, quais são as suas doenças do foro digital e qual o tratamento mais adequado.

Assim, antes de se automedicar, garanta (i) que o diagnóstico digital é fidedigno e (ii) que a medicação é a mais adequada.

A digitalização é uma realidade e deve ser endereçada, no entanto, medicação em excesso ou desajustada só tenderá a agravar a doença, e ninguém quer que o doente morra da cura.

Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários