Alarme sobre uma possível recessão fragiliza Wall Street no fecho da sessão

No fecho da sessão, desta quarta-feira, o S&P 500 perdeu 3,133%, para 2,840.25 pontos, o tecnológico Nasdaq desvalorizou 3,34%, para 7,489.25 pontos e o industrial Dow Jones caiu 3,26%, para 25,455.0 pontos.

Brendan McDermid / Reuters

A bolsa de Nova Iorque terminou a sessão desta quarta-feira fragilizada com os alarmes de uma possível recessão devido a uma inversão na curva das taxas dos juros da dívida soberana norte-americana a dois e a dez anos, mas também pelo desempenho das economias da Alemanha e da China.

No fecho da sessão, desta quarta-feira, o S&P 500 perdeu 3,133%, para 2,840.25 pontos, o tecnológico Nasdaq desvalorizou 3,34%, para 7,489.25 pontos e o industrial Dow Jones caiu 3,26%, para 25,455.0 pontos.

Esta quarta-feira, ficou marcada pelo sentimento do mercado a ser penalizado por causa dos dados sobre o desempenho das economias chinesa e alemã e ainda pela inversão da curva das taxas dos juros da dívida soberana norte-americana a dois e a dez anos, indiciando que a maior economia mundial poderá entrar em recessão.

Em relação à guerra comercial, os investidores mantêm-se inquietos porque está a começar a ter impacto na economia mundial. A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, atingiu as exportações chinesas de vários produtos norte-americanos, especialmente a soja.

Ao mesmo tempo, as exportações caíram na economia da Alemanha no segundo trimestre, enquanto o crescimento da produção industrial chinesa arrefeceu para uma baixa de mais de 17 anos no mês de julho.

As ações globais foram menores, com as ações na Alemanha e na França a caírem mais de 2% e o índice da Bovespa no Brasil a descer mais de 3%.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street afasta-se dos máximos pressionada pelo vírus chinês

As ações das empresas que atuam nos segmentos de viagens, onde se incluem as companhias aéreas, os casinos e hotéis, foram as mais afetadas na sessão de hoje, que também foi pressionada pelas empresas norte-americanas mais expostas à economia chinesa, como as que atuam nos setores da tecnologia, materiais e energia.

Mourinho Félix: Descarbonização da economia custará “mil milhares de milhões de euros” até 2050

Ricardo Mourinho Félix explicou que serão necessários 86 mil milhões de euros de investimento adicional para assegurar que se cumpre até 2050 o obejtivo de neutralidade carbónica, que incluirá a aposta em infraestruturas, equipamentos e edifícios eficientes.

Tombo nas Bolsas europeias com notícias provenientes da Ásia

Ações, petróleo e juros da obrigações soberanas em queda. Fortes perdas no mercado de capitais à custa do Coronavírus chinês.
Comentários