PremiumALDI quer triplicar número de lojas para responder à Mercadona

Rita Agostinho, diretora de Marketing do Aldi Portugal, explica ao Jornal Económico que o projeto do grupo alemão é triplicar a rede de lojas no nosso país, atualmente conta com 68 lojas. Mais uma resposta à entrada da Mercadona.

O grupo de distribuição germânico ALDI está a investir no reforço da sua presença no mercado português. Além de ter um plano ambicioso de expansão no território norte-americano, com um investimento de cerca de cinco mil milhões de euros para construção de novas áreas comerciais e/ou remodelação das já existentes, num total de cerca de 800 lojas, o grupo ALDI está também a reforçar a sua dimensão no mercado retalhista europeu, com destaque para o território nacional.

Sem revelar valores específicos de investimento para o mercado português, Rita Agostinho, diretora de Marketing do ALDI Portugal, garante, em declarações exclusivas ao Jornal Económico, que “pretendemos quintuplicar o investimento desde 2017, de modo a atingir o objetivo de triplicar o parque de lojas que temos em Portugal”.

“É nosso objetivo reforçar a nossa presença em todo o país, procurando chegar a regiões onde ainda não estamos representados e reforçando aquelas onde já estamos”, adianta Rita Agostinho. A mesma responsável acrescentou que o ALDI está em Portugal há 13 anos e conta, atualmente, com 68 lojas em todo o país.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.
Comentários