Alemanha investe 86 mil milhões de euros para modernizar ferrovias

Governo e Deutsche Bahn irão alocar em média 8.600 milhões de euros por ano para renovar os trilhos, as estações ferroviárias, bem como o sistema de fornecimento e sinalização de eletricidade.

O governo da Alemanha e a operadora ferroviária alemã Deutsche Bahn (DB) assinaram esta terça-feira um contrato para modernizar e renovar a rede ferroviária do país nos próximos dez anos. A transformação dos caminhos-de-ferro compreende um investimento de 86 mil milhões de euros (62 mil milhões de euros do executivo e 24 mil milhões de euros da DB).

As partes irão, assim, alocar em média 8.600 milhões de euros por ano para renovar os trilhos, as estações ferroviárias, bem como o sistema de fornecimento e sinalização de eletricidade.

O documento foi rubricado pelo ministro alemão dos Transportes e da Infraestrutura Digital, Andreas Scheuer, pelo CEO da Deutsche Bahn, Richard Lutz, e pelo diretor do departamento de Infraestruturas da empresa, Ronald Pofalla (ex-ministro Federal dos Assuntos Especiais da Alemanha).

Para o governante que tutela os Transportes, desta forma, dá-se início a “uma era brilhante” para a ferrovias germânica. “Assinamos o programa de modernização mais ambicioso já feito na Alemanha”, disse. Não obstante, a cerimónia contou ainda com a presença de Olaf Scholz, responsável pela pasta das Finanças. “Os investimentos têm prioridade para o governo federal”, completou Olaf Scholz.

Esta aposta do governo liderado por Angela Merkel insere-se na estratégia alemã de redução das emissões de dióxido de carbono.

Ler mais
Recomendadas

Vendas dos lojistas com quebras de 37% face a 2019. Em Lisboa, a redução é superior a 40%

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o setor mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%, o sector de retalho 34,3% e o sector de serviços 38,5%.

Sociedade do Luxemburgo quer comprar até 450 milhões de euros de dívida da dona do Minipreço

A sociedade do Luxemburgo é a DEA Finance, que é detida pela LetterOne. A mesma LetterOne que é a principal acionista da dona do Minipreço, com 69,76% do capital.

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.
Comentários