Alemanha regista o segundo maior número de mortes por Covid-19 num dia

A Alemanha lamentou nas últimas 24 horas 483 mortes devido à Covid-19, o que representa o segundo registo desde o início da pandemia.

O número mais alto de óbitos registado até agora foi na última quarta-feira, quando se verificaram 487 mortes pela doença causada pelo novo coronavírus.

No sábado, as autoridades de saúde alemãs comunicaram ao Instituto Robert Koch (RKI), a agência governamental para o controle e prevenção de doenças infeciosas, a existência de 23.318 novas infeções confirmadas de Covid-19, 1.600 a mais do que na semana anterior.

O número mais alto de novas infeções diárias desde o início da pandemia foi registado em 20 de novembro com 23.648.

Desde o início da pandemia, houve já 1.153.555 infeções pelo novo coronavírus na Alemanha, com cerca de 835.700 pessoas a recuperarem da doença, enquanto 18.517 morreram.

Atualmente, a incidência semanal é de 138,7 infeções por 100.000 habitantes. O RKI considera um dado cenário como crítico quando a incidência semanal ultrapassa 50 infeções por 100.000 habitantes.

A segunda onda da pandemia levou à imposição de novas medidas restritivas na Alemanha. Atualmente, bares, restaurantes e cafés só podem funcionar em regime de “take-away”. Já as reuniões sociais devem ser limitadas a cinco pessoas de até dois agregados familiares. Para o Natal, na maioria dos estados federais está contudo previsto aumentar esse número para dez pessoas.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 1.507.480 mortos em mais de 65,2 milhões de casos de infeção confirmados em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais a lamentar regista-se no Reino Unido (60.617 mortos, mais de 1,6 milhões de casos), ao qual se segue Itália (58.852 mortos, mais de 1,6 milhões de casos), França (54.767 mortos, mais de 2,2 milhões de casos) e Espanha (46.252 mortos, mais de 1,6 milhões de casos).

Portugal contabiliza 4.803 mortos em 312.553 casos de infeção.

Ler mais
Recomendadas

Teste genético português ajuda a tratar doentes com uma gota de saliva

“Em ano e meio construímos um painel de laboratório em que, a partir de uma amostra de saliva que a pessoa pode colher em casa e enviar pelo correio, pois não se degrada à temperatura ambiente, no laboratório conseguimos extrair o DNA das células e ir a uma série de posições do genoma buscar, de uma forma agregada, toda a informação de que precisamos para cinco áreas terapêuticas: cardiologia, psiquiatria, gestão da dor, diabetes e oncologia”, explicou Ana Teresa Freitas, da startup portuguesa HeartGenetics.
rui_rio_psd

Rui Rio pede a António Costa que encerre as escolas a partir desta quinta-feira

Ainda em isolamento profilático, o líder social-democrata recorreu ao Twitter para se dirigir ao primeiro-ministro, criticando um “confinamento muito permissivo” de que o funcionamento pleno das escolas “é o caso mais evidente”.

Sindicato exige proteção dos profissionais de saúde e apela ao fim da “propaganda”

O SIM explica que menos de um quinto dos profissionais de saúde fizeram a primeira dose nas Forças Armadas, na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Cruz Vermelha, misericórdias de todo o país e, quanto ao SAMS ainda não há data prevista.
Comentários