Alexandra Leitão: “Tecnologia facilita deslocalização dos serviços públicos para o interior”

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública vinca que a tecnologia vai ajudar a resolver problemas de baixa densidade populacional no interior, melhorar a mobilidade e resolver problemas de carência habitacional. Declarações proferidas na sessão de encerramento da conferência “Autarquias, empresas e cidadãos”, realizada no âmbito da “Portugal Smart Cities 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, considera que a tecnologia tem um papel relevante na deslocalização dos serviços públicos para o interior do país.

Alexandra Leitão disse, no final desta manhã, na sessão de encerramento da conferência “Autarquias, empresas e cidadãos”, realizada no âmbito da “Portugal Smart Cities 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner que “a tecnologia e a digitalização são instrumentos fundamentais para contrariar a baixa densidade populacional no interior do país e solucionar problemas tão prementes como a carência da habitação, a melhoria da mobilidade, e o limite dos recursos disponíveis, como a água, energia e espaço, nos grandes centros urbanos”.

“É por isso que a tecnologia facilita a deslocalização dos serviços púbicos para o interior, seja através da portabilidade dos postos de trabalho, do teletrabalho ou funções de co-working partilhadas entre a administração central e local. Tudo isto previsto na estratégia para inovação e modernização do Estado e da administração pública aprovada pela minha área governativa para o período de 2020-2023”, reforçou a ministra.

E reforçou a ideia. “Em matéria de deslocalização de serviços para o interior, o que há uns tempos era irrealista, está hoje na nossa mão e é possível”.

Alexandra Leitão deu ainda alguns exemplos de como a administração pública tem respondido aos desafios da sustentabilidade, que é uma componente importante das cidades inteligentes.

“O programa de eficiência energética para a administração pública, o EcoPonto AP, neste programa, o Estado comprometeu-se com a progressiva descarbonização do setor pública com uma meta de redução de 30% dos consumos de energia dos seus serviços e organismos”, disse a ministra, sublinhando depois que “mais  800 mil famílias economicamente vulneráveis passaram a beneficiar da tarifa social de energia sem precisarem de o solicitar” com recurso ao cruzamento de dados já existiam a através do novo portal de interoperabilidade da administração pública, que foi lançado em junho.

Esta plataforma de interoperabilidade da administração pública agrega 123 entidades publicas e privadas “cujos serviços comunicam entre si e garante ainda outros serviços como a troca de informações no âmbito do ciclo de vida do cartão de cidadão, a atribuição automática de bolsas no ensino superior ou o envio de prescrições médicas para o telemóvel”, explicou Alexandra Leitão.

“Isto depois é convertível em números muito expressivos. Seis mil milhões de euros em poupança para o Estado e 400 milhões horas em poupanças de tempo para os cidadãos desde 2007. Em termos de sustentabilidade, neutralizamos 468 toneladas de carbono, ou seja, 30 mil árvores nos últimos 13 anos que foram poupadas em papel”, enalteceu a ministra.

Destaque ainda para o facto de esta semana ter sido atingida a fasquia dos dois milhões de cidadãos que requereram a chave móvel digital, depois de um “significativo aumento” nos últimos três meses por causa das medidas de confinamento que obrigaram ao acesso e assinaturas de documentos de forma digital.

A ministra disse ainda que no âmbito da presidência portuguesa da União Europeia, em 2021, Portugal vai promover um fórum realizado às cidades em inteligentes.

 

Ler mais
Relacionadas

Matos Fernandes: “Ministério do Ambiente está muito bem preparado” para o Plano de Recuperação e Resiliência

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse que o seu ministério está pronto para receber os fundos europeus que serão canalizados para o Plano de Recuperação e Resiliência e colocou o território no centro das políticas futuras. Declarações foram proferidas esta manhã na sessão de abertura da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, organizado pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner.

SPGM vai ajustar-se para se adaptar a uma economia mais verde

PGM que avaliam projetos das empresas que procuram financiamento porque “uma empresa que incorpora na sua atividade a circulabilidade na sua produção é uma empresa que contribui para a diminuição dos riscos ambientais e do seu próprio risco”, reforçou Beatriz Freitas no painel Sustentabilidade e Competitividade | Financiamento de novos projectos, que se realizou no âmbito da “da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner

Como serão as cidades inteligentes? Assista em direto à ‘Portugal Smart Cities Summit 2020’

A ‘Portugal Smart Cities Summit 2020 decorre até 24 de setembro, no Centro de Congressos de Lisboa, e vai debater como serão as cidades inteligentes. O evento conta com o Jornal Económico como ‘media partner’ e é no site do JE e é na plataforma JE TV que pode saber tudo sobre esta cimeira.
Recomendadas

Apple divulga iPhone 12 com 5G

A gigante tecnológica norte-americana está a apresentar esta terça-feira, num evento na Califórnia, os novos telemóveis e equipamentos da marca. Acompanhe os lançamentos aqui em direto.

PremiumPortugal vai triplicar verbas para ação climática

Economia circular, mobilidade elétrica, telemedicina e aproveitamento da água estiveram em debate na cimeira das cidades do futuro.

PremiumDiretora-geral da AIP: “O digital permitiu-nos ter visitantes de todo o mundo”

A organização de feiras e conferências foi afetada pela pandemia, mas está a retomar. O Portugal Smart Cities Summit foi o primeiro evento híbrido da AIP, uma edição ‘especial’ com participação presencial ou digital, diz a diretora-geral.
Comentários