Alexandre Fonseca volta a atacar Anacom: “Foi incompetente” para apresentar plano estratégico para o 5G

Presidente da Altice Portugal criticou o regulador da telecomunicações, considerando que o país “está na cauda da Europa” neste domínio e “é um dos últimos países no que toca à compreensão e elaboração de um plano para o 5G”.

Presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca | Foto cedida

O presidente da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, não poupou críticas à Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), a quem acusou de incompetência por não apresentar um plano estratégico para o 5G. As críticas ao regulador das telecomunicações não são novas, mas têm subido de tom no último mês.

“Portugal não tem hoje um plano estratégico nacional para as redes móveis 5G. A responsabilidade tem um nome. A responsabilidade deste atraso chama-se ANACOM – Autoridade Nacional para as Comunicações, que foi até agora incapaz, que foi incompetente para apresentar até ao momento um plano estratégico para o nosso país para algo que vai muito para além das telecomunicações”, disse Alexandre Fonseca, esta terça-feira, no Congresso da CIP – confederação Empresarial de Portugal, no Estoril.

O responsável da Altice Portugal frisou que o país “está na cauda da Europa” neste domínio, realçando que “é um dos últimos países no que toca à compreensão e elaboração de um plano para o 5G”.

“Algo que é chave para o desenvolvimento e crescimento das economias e sociedade e que gera hoje guerras económicas entre bloco económicos mundiais. Esta é uma preocupação que temos claramente de ter presente e ter presente que sem 5G, sem este plano estratégico integrado os investimentos que terão necessariamente que ser feitos e o crescimento que daí deriva está atrasado e esperemos que não esteja posto mesmo em causa”, destacou.

Recomendadas

Lucros da banca sobem 133% em 29 anos, já o crédito a clientes subiu 862%

Desde 1990, verificou-se um aumento de concentração do sistema bancário português. Ao longo do período para o qual existe informação comparável, Portugal apresenta um nível de concentração superior ao da área do euro, o que poderá ser explicado pelo facto dos países mais pequenos tenderem a ter níveis de concentração mais elevados, explica o BdP.

Moody’s atribui ‘rating’ B2 com ‘outlook’ estável à TAP e ao empréstimo obrigacionista

Depois da Standard & Poor’s, é a vez da Moody’s iniciar a análise de ‘rating’ da companhia aérea nacional.

Moody’s atribui à dívida da TAP quinto nível de “lixo”

A agência de notação financeira norte-americana atribuiu o ‘rating’ “B2” à emissão de obrigações anunciada ontem.
Comentários