Alexandre Fonseca volta a atacar Anacom: “Foi incompetente” para apresentar plano estratégico para o 5G

Presidente da Altice Portugal criticou o regulador da telecomunicações, considerando que o país “está na cauda da Europa” neste domínio e “é um dos últimos países no que toca à compreensão e elaboração de um plano para o 5G”.

Presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca | Foto cedida

O presidente da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, não poupou críticas à Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), a quem acusou de incompetência por não apresentar um plano estratégico para o 5G. As críticas ao regulador das telecomunicações não são novas, mas têm subido de tom no último mês.

“Portugal não tem hoje um plano estratégico nacional para as redes móveis 5G. A responsabilidade tem um nome. A responsabilidade deste atraso chama-se ANACOM – Autoridade Nacional para as Comunicações, que foi até agora incapaz, que foi incompetente para apresentar até ao momento um plano estratégico para o nosso país para algo que vai muito para além das telecomunicações”, disse Alexandre Fonseca, esta terça-feira, no Congresso da CIP – confederação Empresarial de Portugal, no Estoril.

O responsável da Altice Portugal frisou que o país “está na cauda da Europa” neste domínio, realçando que “é um dos últimos países no que toca à compreensão e elaboração de um plano para o 5G”.

“Algo que é chave para o desenvolvimento e crescimento das economias e sociedade e que gera hoje guerras económicas entre bloco económicos mundiais. Esta é uma preocupação que temos claramente de ter presente e ter presente que sem 5G, sem este plano estratégico integrado os investimentos que terão necessariamente que ser feitos e o crescimento que daí deriva está atrasado e esperemos que não esteja posto mesmo em causa”, destacou.

Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários