Algarve, Madeira, Brasil e Caraíbas: “destinos estrela” para o final do ano

Mais portugueses vão viajar neste final do ano, a preços mais altos, disse o presidente da APAVT, antecipando um crescimento de entre 7% a 9%.

“Relativamente aos destinos mais importantes, em primeiro lugar Portugal, é sempre assim no final do ano até porque são estadas mais curtas”. E dentro do país, “os destinos estrela”, como os classifica Pedro Costa Ferreira, também são os esperados: “continuamos a ter o Algarve, a Madeira, mas também é verdade que se acentua a tendência dos últimos anos que têm a ver com viagens um pouco por todo o país”.

Os Açores, mas também a região centro e norte têm merecido a atenção dos portugueses na hora de escolher onde receber o novo ano. “Como sabemos há novas infraestruturas importantes nessas regiões, há sinais claros de crescimento recente e esse crescimento vai-se manter ao longo deste final de ano”, explica o presidente da APAVT numa entrevista à agência Lusa.

Quanto às viagens para o estrangeiro, “o quadro não é muito diferente do ponto de vista dos destinos em relação aos anos anteriores”, afirma o responsável. Do ponto de vista do longo de curso, acrescentou, o espetro não se alargou: Brasil e Caraíbas continuam a ser os destinos tradicionais de fim de ano.

Recomendadas

Balsemão: “Este livro não é, nem pretende ser, um ajuste de contas”

A apresentação do livro de 962 páginas, onde o patrão do Expresso e da SIC, conhecido jornalista, empresário e político relata as suas Memórias, coube a Luís Marques Mendes e Clara Ferreira Alves. “Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes”, disse Balsemão, citando Proust.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários