Alibaba entra na bolsa de Hong Kong

O gigante chinês do comércio eletrónico, fundado por Jack Ma, fez uma oferta pública inicial e espera arrecadar o valor equivalente a mais de 12 mil milhões de euros.

O gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba entrou esta sexta-feira na bolsa de Hong Kong, onde espera arrecadar o valor equivalente a mais de 12 mil milhões de euros, numa altura de crise política na antiga colónia britânica.

O grupo, fundado pelo homem mais rico da China, Jack Ma, entrou para a História em 2014, quando realizou a maior oferta pública inicial de ações de sempre em Wall Street, mas escolheu agora Hong Kong para arrecadar fundos e impulsionar o seu desenvolvimento global.

“Para uma empresa jovem, com apenas 20 anos, trata-se de um novo começo”, disse o CEO do grupo, Daniel Zhang, numa carta enviada aos investidores.

Zhang deu também um sinal de confiança a Hong Kong, após quase seis meses de manifestações cada vez mais violentas contra a crescente influência do regime comunista no território semiautónomo.

“Neste momento de mudança, continuamos a acreditar que o futuro de Hong Kong permanece resplandecente e esperamos contribuir para esse futuro”, afirmou.

O Alibaba rejeitou “com pesar” Hong Kong, quando, em 2014, escolheu Nova Iorque, disse Zhang. O grupo acabou por arrecadar 25 mil milhões de dólares (22,6 mil milhões de euros) em Wall Street – um recorde mundial absoluto para uma oferta inicial.

Desta vez, na praça financeira de Hong Kong, o grupo oferece até 575 milhões de ações aos investidores, a um preço unitário máximo de 188 dólares de Hong Kong, para um total equivalente a 12,5 mil milhões de euros.

Trata-se de um valor inferior às estimativas mais recentes: o jornal de Hong Kong South China Morning Post, que é detido pelo grupo, anunciou na quarta-feira que o Alibaba planeava arrecadar o equivalente a 13,60 mil milhões de euros, o que constituiria a maior oferta inicial na antiga colónia britânica desde 2010.

A imprensa chegou a apontar para 18 mil milhões de euros, no final de maio, mas a agitação política que começou no mês seguinte pode ter dissuadido o grupo a arriscar uma operação de grandes dimensões.

Os líderes chineses procuram incentivar os gigantes tecnológicos a serem listados mais perto de Pequim, após o Alibaba ou o gigante da internet Baidu terem escolhido Wall Street.

A Bolsa de Hong Kong mudou as suas regras nos últimos anos para permitir que uma empresa seja listada em dois lugares diferentes.

Fundado em 1999, o grupo Alibaba aproveitou ao máximo o ‘boom’ do comércio eletrónico na China: as suas várias plataformas de comércio ‘online’ contam hoje com 785 milhões de utilizadores mensais no país asiático.

Nos próximos cinco anos, o grupo pretende alcançar mil milhões de consumidores na China – o país mais populoso do mundo, com cerca 1.400 milhões de habitantes. Até 2036, a meta do grupo é chegar aos 2.000 milhões de consumidores em todo o mundo.

“À medida que o mundo se converte numa economia digital (…), a globalização é o futuro do grupo Alibaba”, disse Daniel Zhang, na sua carta aos investidores.

Esta semana, o grupo registou um novo valor recorde de vendas no maior festival de compras do mundo, o “Dia dos Solteiros”, celebrado na China a 11 de novembro pelos quatro ‘um’ que combinam nesta data (11/11), que afigura assim a condição de solteiro.

No total, as plataformas do grupo faturaram 35 mil milhões de dólares no espaço de 24 horas, um aumento de 26%, em relação ao ano passado.

No conjunto, 200.000 marcas, incluindo cerveja ou vinhos portugueses, aderiram à iniciativa este ano, oferecendo descontos nos seus produtos.

Ler mais

Recomendadas

EDP encaixa mais 273 milhões com venda de défice tarifário de 2020

Através de cinco transacções individuais, eléctrica alienou 23,4% do défice tarifário de 2020 relativo ao sobrecusto com a produção em regime especial.

Autoridade da Concorrência admite mais acusações “nos próximos meses” na grande distribuição

Concorrência tem dez investigações me curso, mas admite não conseguir “ir a todos”. Embora eventuais acusações dependam das conclusões das investigações, a AdC vê na grande distribuição uma prioridade, por práticas indevidas terem potencial de limitar “opção de escolha” do consumidor.

Ações da Amazon ainda podem valorizar 16% até ao fim do ano

Mais de quatro meses após o início da pandemia, os analistas de Wall Street estimam que a empresa deve crescer mais 16% até ao fim do ano devido ao aumento da procura pelo comércio online.
Comentários